Medidas preventivas precisam ser mantidas ante a alta transmissibilidade da ômicron, recomendam SindusCon-SP e Seconci-SP 

Apesar do risco de contaminação pela variante ômicron da Covid-19, o número de casos suspeitos de Covid-19 nas obras paulistas permaneceu muito reduzido: oscilou de 0,09% para 0,08% do pessoal empregado, e o total de confirmados variou de 0,02% para 0,01% do contingente de trabalhadores. Pela 20ª semana consecutiva, não se registraram óbitos. Nas últimas seis semanas, nenhum trabalhador estava em internação hospitalar. 

Estes foram os resultados da 74ª Pesquisa “Conhecendo as Ações das Construtoras Paulistas no Combate à Covid-19”, realizada por SindusCon-SP e Seconci-SP (Serviço Social da Construção). Foram obtidas respostas de 47 empresas, responsáveis por 586 obras, envolvendo 46.336 empregos diretos e terceirizados, de 25 de novembro a 9 de dezembro. 

Das empresas pesquisadas, 39 informaram que 23.025 trabalhadores foram vacinados com a primeira dose, 17.583 com a segunda ou dose única, e 810 com a de reforço. Foi de 10% o percentual de trabalhadores em relação ao total pesquisado, sobre os quais as empresas não informaram o andamento da vacinação. 

Odair Senra, presidente do SindusCon-SP, e Haruo Ishikawa, presidente do Seconci-SP, afirmam que todos os cuidados preventivos precisam ser mantidos. “Apesar de a variante ômicron parecer ser menos agressiva, ela é altamente transmissível. Além disso, a pandemia não acabou. Vacina, uso de máscaras e distanciamento continuam sendo indispensáveis nas obras e nos trajetos”, afirmam.  

Principais resultados da 74ª Pesquisa:  

· 0,08% afastados por suspeita de Covid-19; 

· 0,01% afastados por confirmação da doença; 

· 586 obras em andamento e nenhuma parada; 

· 99,9% do pessoal estão em atividade; 

· 100% das empresas adotam higienização das mãos e fornecem máscaras para os trajetos entre as residências e as obras, dão orientações diárias sobre prevenção e divulgam aos trabalhadores cartazes e vídeos de orientação do SindusCon-SP e do Seconci-SP. 

· 93% fornecem máscaras extras para as obras além das utilizadas como EPIs 

· 90% oferecem máscaras para os trajetos entra as obras e as residências 

Os presidentes do SindusCon-SP e do Seconci-SP reafirmam o convite para mais empresas com obras no Estado de São Paulo participarem das próximas rodadas; basta enviar um e-mail para pesquisacovid-19@seconci-sp.org.br e o Seconci-SP entrará em contato para incluir a construtora na enquete. As entidades garantem sigilo absoluto sobre as informações prestadas. Em virtude do recesso de fim de ano, a pesquisa será retomada em 10 de janeiro.        

Veja os relatórios das últimas rodadas da pesquisa: