Aluguel de Ferramentas









Notícias

RSS Feed - Notícias - Mantenha-se Informado


13/07 - Celia & Celma revisam (mais de) 50 anos de vida musical em disco ao vivo
Renato Teixeira, Simoninha e Claudette Soares figuram entre os convidados do álbum da dupla mineira formada por irmãs gêmeas. ♪ Se for levado em conta que as irmãs gêmeas Celia Mazzei e Celma Mazzei – nascidas em 2 de novembro de 1952 na cidade mineira de Ubá (MG) – entraram em cena pela primeira vez aos cinco anos de idade, para cantar músicas sertanejas e italianas em circo armado na terra natal das garotas, o título do álbum lançado pela dupla neste ano de 2020, Celia & Celma 50 anos – Duas vidas pela arte, deveria aludir a mais de seis décadas de trajetória artística. Até porque Celia & Celma nunca mais saíram de cena após a seminal apresentação circense. Atrações mirins locais de rádio de Ubá (MG), terra natal de Ary Barroso (1903 – 1964), compositor conterrâneo cuja obra seria abordada pela dupla no álbum Ary mineiro (1997), Celia & Celma formaram na adolescência, nos anos 1960, o Conjunto Garotas, alardeado com o primeiro grupo instrumental feminino do Brasil. Celia tocava bateria no conjunto enquanto Celma pilotava o contrabaixo acústico. De todo modo, a trajetória profissional das irmãs foi de fato intensificada a partir dos anos 1970 e é essa caminhada adulta que o álbum Celia & Celma 50 anos – Duas vidas pela arte – lançado pela gravadora Kuarup no formato de CD e em edição digital – celebra com a gravação ao vivo de show feito pela dupla em 6 de junho de 2018 no Teatro Itália, na cidade de São Paulo (SP), com participações de Altemar Dutra Jr., As Galvão, Claudette Soares, Renato Teixeira e Wilson Simoninha. Produzido por Thiago Marques Luiz, sob direção musical do pianista Aluízio Pontes, o álbum ao vivo de Celia & Celma tem repertório selecionado pela dupla e perpetua 14 números do roteiro apresentado pelas cantoras no show de 2018, feito 50 anos após as irmãs terem sido admitidas, em 1968, como vocalistas do grupo O som psicodélico de L.C.V., do pianista carioca Luiz Carlos Vinhas (1940 – 2001). Embora transitem pela urbanidade de canções como Até quem sabe (João Donato e Lysias Ênio, 1973) e Sá Marina (Antonio Adolfo e Tibério Gaspar, 1968), regravadas pela dupla com Claudette Soares e Simoninha, respectivamente, Celia & Celma dão vozes no disco sobretudo a um repertório mais interiorano – opção já sinalizada com a interpretação de Brasil poeira (1996), parceria de Almir Sater com Renato Teixeira, na abertura do álbum. Teixeira forma trio com Celia & Celma para sustentar Pê de Ipê (Tonico e Osvaldo Rielli, 1953) e refazer Romaria (Renato Teixeira, 1977). Dentro desse refinado universo ruralista, a dupla também revive No rancho fundo (1931), parceria do conterrâneo Ary Barroso com Lamartine Babo (1904 – 1963), em disco que festeja a união cinquentenária (a rigor, já sexagenária...) das irmãs em nome da arte.
Veja Mais

13/07 - Dia Mundial do Rock: Planet Hemp e Raimundos se reúnem em live para comemorar data
Transmissão nesta segunda (13) é às 20h, com repertório clássico das bandas. D2 fala sobre álbum novo: 'Esperando o momento certo para se reunir e finalizar o álbum'. Planet Hemp se prepara para lançar disco novo após o período de pandemia do novo coronavírus Divulgação Esta segunda-feira (13), Dia Mundial do Rock, vai ser de estreia para Planet Hemp e Raimundos. As duas bandas se reúnem pela primeira vez para apresentarem uma live, transmitida pelo canal Festival Planeta Brasil, a partir das 20h. "É a nossa primeira apresentação desde que começou a pandemia, com todos juntos, tocando. Vai ser como a galera se reencontrando depois de muito tempo e levando um som. E a gente vai lá para tocar com vontade mesmo, como se tivéssemos tocando para 100 mil pessoas, como é em um festival tradicional", conta Digão, vocalista do Raimundos. Para Digão, as lives são uma boa opção não só para o período da pandemia do novo coronavírus: "As pessoas conseguem ver até melhor você, o palco, o que acontece ali, as brincadeiras entre os músicos. E a interação mesmo com o público, eles vão falando, a gente pode conversar com eles, receber perguntas, essas coisas, então é muito bacana." A banda Raimundos se apresenta com o Planet Hemp para comemorar o Dia Mundial do Rock Divulgação Músicas novas, disco novo Para a live, que vai arrecadar doações que serão destinadas aos profissionais que atuam nos bastidores de eventos, Marcelo D2, vocalista do Planet Hemp, já adianta o que os fãs podem esperar. Sem contar um disco novo, que está a caminho. "A gente está com o disco quase pronto", adianta D2. "O Planet Hemp é uma parada muito intensa para todos da banda, porque fizemos tudo juntos e ficou meio sem sentido finalizar o disco separados. A gente segue trocando ideia, se falando quase todo dia, mas estamos esperando o momento certo para se reunir novamente e finalizar o álbum. Mas, a rapaziada pode se preparar para fazer muito barulho com a 'Ex-Quadrilha' e, quem sabe, ouvir uma ou duas músicas do disco novo nessa live." Já sobre o período de ficar em casa durante a pandemia, ele conta que tem aproveitado o momento de introspecção para criar e estar com a família. "Tem sido um momento de se cuidar e cuidar dos nossos, de ficar com a família. Estou aproveitando esse tempo fora da estrada e dos palcos para pesquisar, estudar e criar." "Tem dias que eu produzo num ritmo frenético, mas também tem dias que é difícil até levantar da cama. E está tudo bem… Acho que o momento é de se respeitar, respeitar seu ritmo, seu corpo e nutrir a mente com bons conteúdos", diz D2. Confira os melhores momentos do show do Planet Hemp no Festival de Verão
Veja Mais

13/07 - MP vê falhas na investigação de morte envolvendo Queiroz, e viúva diz que ele era 'temido': 'Fez muita mãe chorar'
Fabrício Queiroz, em prisão domiciliar por caso das rachadinhas, e capitão Adriano da Nóbrega, morto pela polícia baiana, foram PMs juntos e respondem por homicídio ocorrido em 2003; eles alegam legítima defesa. Após 13 tentativas de arquivamento, MP deu 90 dias para conclusão. Exclusivo:detalhes do inquérito que investiga assassinato envolvendo Queiroz e Adriano O Ministério Público do Rio de Janeiro encontrou falhas na investigação de uma suposta execução cometida por Fabrício Queiroz e Adriano da Nóbrega em 2003. Os dois trabalhavam juntos como PMs na época e mataram um suspeito de tráfico. Promotores encontraram vários problemas no inquérito, como a falta de perícia nas armas. Como já se arrasta por 17 anos, a investigação vai perder a validade em 3 anos. Por isso, o MP determinou que seja concluída em 90 dias. O Fantástico teve acesso ao inquérito e aos documentos do MP que apontam as falhas no caso e também conversou com a viúva, que diz acreditar que ele foi executado . A mulher, que preferiu não ser identificada, teve dois filhos com Anderson Rosa de Souza, de 29 anos. Na época, as crianças tinham 10 e 3 anos. A viúva contou que nunca foi procurada pela polícia e disse o que sabe sobre o dia da morte. "Os moradores falaram: "pegaram teu marido aí, levaram lá para baixo lá, fizeram ele se ajoelhar e deram os tiros nele. Disse que ele pediu 'pelo amor de Deus', mas não adiantou". Ela nega que o marido fosse traficante e diz que ele não tinha armas, mas contou que Anderson circulava por vários ambientes da comunidade e se relacionava com muitos grupos. E diz ainda que, se a polícia desconfiava do comportamento dele, Anderson deveria ter sido preso, e não morto. "Tinha que levar ele, né? Algemar ele e levar ele, né? Não fazer o que eles fizeram, né?" A viúva contou que Queiroz era um policial muito temido na comunidade. "Falasse que era ele, minha filha, a rua ficava limpa. Ele fez muita mãe chorar ali, né? Eles eram muito violentos ali dentro. Quando ele apareceu na televisão, todo mundo: 'é ele, é ele, é ele"", contou. O Fantástico não conseguiu contato com a defesa de Queiroz. 'Rachadinhas' levaram à retomada do caso A história só veio à tona agora porque o promotor do MP Claudio Calo teve acesso ao material durante a investigação de Fabrício Queiroz pelo esquema de "rachadinha" no gabinete do então deputado estadual Flávio Bolsonaro na Alerj, do qual foi assessor e motorista. Anderson com os 2 filhos: viúva falou que moradores disseram que ele foi executado Reprodução/TV Globo Preso no dia 18 de junho em Atibaia, interior de São Paulo, Queiroz voltou para casa, na Taquara, na última quinta-feira para cumprir prisão domiciliar. Adriano da Nóbrega virou miliciano e foi morto pela polícia na Bahia quando tentava fugir. Em um despacho, o promotor Calo conta a história do caso, que começou em 2003. Na época, Queiroz era segundo sargento e seu colega de trabalho era o tenente Adriano. Os dois trabalhavam juntos no 18º Batalhão da PM, em Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio. Em 15 de maio de 2003, Adriano e Queiroz, acompanhados de mais três policiais, fizeram uma incursão na Cidade de Deus, em um endereço de um suposto ponto de venda de drogas. No local, contam que foram recebidos a tiros e revidaram. Anderson foi baleado três vezes e teria chegado morto ao hospital. Ele não tinha passagem pela polícia. Segundo Queiroz e Adriano, foi apreendida no local uma bolsa com cocaína e uma pistola. Na época, eles prestaram depoimento no batalhão, entregaram os fuzis usados no dia e voltaram a trabalhar normalmente. O caso foi registrado como auto de resistência, quando a polícia atira em alguém que resiste à abordagem e coloca a vida dos agentes em risco. Anderson Rosa de Souza foi morto na Cidade de Deus, em 2003; Queiroz e Adriano são investigados Reprodução/TV Globo O comandante do batalhão decidiu arquivar o inquérito na Justiça Militar, mas enviou para a Polícia Civil para ser investigado, porque tinha dúvidas se tinha sido legítima defesa ou homicídio. A polícia, no entanto, só instaurou o inquérito quase um ano depois do crime, em 7 de março de 2004.  Analisando o inquérito, o promotor encontrou vários problemas na investigação. Os fuzis usados por Queiroz e Adriano, de onde partiram as balas que mataram Anderson, nunca foram periciados. As balas também não foram examinadas. "Esse exame balístico nunca apareceu no inquérito. Se foi pedido, se tem resultado, é preciso que a polícia científica dê uma resposta, porque esse material não foi [apresentado]", diz o perito Nelson Massini. "Se não foi possível, poderia ter tido um documento dizendo não foi possível por razões de deformação do projétil, alguma justificativa, mas alguma coisas deveria ter a respeito desse documento. Estranhamente, esses policiais se apresentam e o material recolhido e não tem resposta."  O jurista Thiago Bottino classifica a falta de perícia como um erro básico. "Isso é claramente um erro grosseiro (...) Essas armas foram apresentadas na delegacia e não foram periciadas. Eu não consigo imaginar uma razão para que elas não tenham sido periciadas." De acordo com os exames feitos no corpo de Anderson, ele foi atingido por três tiros: um na parte de trás da cabeça, outro nas costas e outro no peito. São sinais de execução, segundo o perito Massini. "Mas a trajetória são indicativos de que o indivíduo recebeu um primeiro disparo, provavelmente, na cabeça, teria já caído, e posteriormente foi atingido já no chão com outros dois disparos, então, há uma premissa, na narrativa que tenho feitos de outros casos, de que nesse caso houve execução, um complemento, invés da prisão e do atendimento correto, na verdade, houve uma sequência de tiros e a execução desse vítima", avaliou. Perícia apontou que Anderson morreu com 3 tiros, 2 deles pelas costas Reprodução/TV Globo Sem perícia nem depoimentos O corpo de Anderson foi reconhecido pelo irmão, Alexandre Rosa de Souza, que nunca foi ouvido pelas autoridades. Nem ele nem nenhum parente ou amigo.  Nunca foi feita perícia no local do crime e nem nas mãos do homem morto para comprovar se nelas existiam vestígios de pólvora – um indicativo de que teria disparado uma arma. Dos cinco policiais que teriam participado da incursão, apenas Queiroz e Adriano dispararam as armas. Nenhum deles tinha prestado depoimento até junho deste ano.  No mês passado, o PM Jorge Antonio Gilbert Rivelo prestou depoimento. Disse que não se lembra de nada porque já passou muito tempo.  A equipe de reportagem entrou em contato com outro policial da equipe de Queiroz na época, Nairober da Silva Cardoso, agora na reserva, que disse nunca ter ouvido sobre o caso.  13 tentativas de arquivamento A 32ª DP (Taquara) é a responsável pela investigação. Ao longo dos anos, vários delegados chefiaram a delegacia, mas o inquérito não andou. A polícia chegou a desengavetar a papelada, mas apenas para pedir o arquivamento do caso. No total, foram 13 tentativas de arquivamento.  Como tudo aconteceu em 2003, se a morte de Anderson for um homicídio, o crime prescreve em 2023 e ninguém mais poderia ser condenado por ele.  Viúva diz que Queiroz era temido Initial plugin text
Veja Mais

13/07 - Discos para descobrir em casa – 'Falange canibal', Lenine, 2002
Capa do álbum 'Falange canibal', de Lenine Jim Brandenburg ♪ DISCOS PARA DESCOBRIR EM CASA – Falange canibal, Lenine, 2002 ♪ Em março de 2002, quando lançou o terceiro álbum solo de estúdio, Falange canibal, Lenine explicou, em texto escrito para o encarte da edição em CD, que o título do disco era fruto de memória afetiva que o remetia a grupo de agitadores culturais que, no fim dos anos 1980, se reuniam semanalmente em bar do bairro carioca da Lapa para devorar música, poesia e teatro. Lenine também frequentava esse efervescente point cultural carioca quando ainda era (quase) mais um na multidão de cantores e compositores em busca de visibilidade no vasto (mas de acesso restrito) mundo da música. De todos os cantores e compositores projetados na música pop brasileira dos anos 1990, Osvaldo Lenine Macedo Pimentel foi o que demorou mais tempo para ser efetivamente notado pelo público, diferentemente dos contemporâneos Chico César (voz vinda da Paraíba) e Zeca Baleiro (de origem maranhense), ambos popularizados logo nos respectivos primeiros álbuns. Lenine precisou esperar uma década para começar a ser (paulatinamente) ouvido. Nascido no Recife (PE) em 2 de fevereiro de 1959, o artista pernambucano poderia perfeitamente ser considerado sucessor natural da geração de cantores e compositores nordestinos que migraram para o eixo Rio de Janeiro-São Paulo ao longo dos anos 1970. Até porque Lenine sempre demonstrou a mesma habilidade para dar polimento pop contemporâneo a ritmos pernambucanos como frevo, maracatu, caboclinho e ciranda – como o antecessor Alceu Valença fazia, com a eletricidade do rock, nos anos 1970. Contudo, ao lançar em 1983 o primeiro álbum, Baque solto, dividido com o parceiro conterrâneo Lula Queiroga, nada aconteceu. Dez anos depois, em 1993, Olho de peixe – álbum de natureza acústica, dividido por Lenine com o percussionista Marcos Suzano – deu (alguma) visibilidade ao artista, evidenciando o requinte instrumental que moldava obra autoral em que os arranjos sempre se configuraram tão fundamentais quanto as composições em si. Com Olho de peixe, os críticos e o público mais antenado puderam vislumbrar a assinatura pessoal do violão e do cancioneiro de Lenine. Foi nesse disco de 1993 que rugiu pela primeira vez Leão do Norte, caboclinho de Lenine – com letra de Paulo César Pinheiro – que seria amplificado na voz de Elba Ramalho em gravação de 1996. Foi pela voz de Elba, aliás, que Lenine começou a ter escoada a produção autoral em fase de entressafra. Em 1989, seis anos após o então já esquecido LP Baque solto, a valente cantora paraibana fez A roda do tempo (Lenine e Bráulio Tavares) girar no álbum Popular brasileira. Em 1991, Elba fez Feitiço (Lenine) entrar no disco Felicidade urgente. Em 1992, Miragem do porto (Lenine e Bráulio Tavares) sobressaiu em outro álbum, Encanto, da cantora. A abertura dessas janelas autorais na discografia de Elba foi importante para Lenine se manter em cena até ter a chance de – contratado pela gravadora BMG – gravar o primeiro álbum solo, O dia em que faremos contato, lançado em 1997. Com capa que expôs imagem do fotógrafo norte-americano Jim Brandenburg, o álbum Falange canibal foi o terceiro título dessa nobre linhagem aberta com o álbum solo de 1997 – alavanca para que Lenine sedimentasse, enfim, a carreira com discos e shows feitos em intervalos regulares – e continuada dois anos depois com o álbum Na pressão (1999). “Falange canibal é o encontro musical de muitos amigos, tendências e nações. É fruto direto do exercício da troca, do tal 'livre trânsito', uma zona franca!”, conceituou Lenine no já mencionado texto do encarte da edição em CD do álbum lançado pela gravadora Sony BMG em 2002 e gravado no segundo semestre de 2001 na ponte Brasil-Estados Unidos. O heterogêneo time de convidados do disco – formado pela banda norte-americana Living Colour, Velha Guarda da Mangueira, Eumir Deodato, a cantora norte-americana Ani DiFranco, o elenco do musical de teatro Cambaio (2001) e por músicos das bandas O Rappa e Skank, além de aparições virtuais (em gravações sampleadas) de Frejat, José Miguel Wisnik e do grupo russo Farlanders – evidenciou na prática o que Lenine explicou na teoria. Foi como se, falando para o mundo do Rio de Janeiro (RJ), cidade para onde migrara na virada dos anos 1970 para a década de 1980, Lenine estivesse servindo banquete antropofágico em Falange canibal, álbum de título também evocativo das orgias tropicalistas feitas em 1922 e revividas no binômio 1967 / 1968 por novos baianos. Formatado com alta dose de eletrônica, concentrada nas programações do duo Vulgue Tostoi e de Tom Capone (1966 – 2004), produtor do disco ao lado de Mauro Manzoli e do próprio Lenine, o repertório inteiramente autoral do álbum Falange canibal encadeou 12 músicas compostas por Lenine a sós e com sete parceiros. Da parceria com Carlos Rennó, Lenine apresentou Ecos do ão – reflexos de tensões urbanas – e Quadro-negro, música de fortes tintas sociais que ajudou a dar o tom por vezes corrosivo e sombrio da poesia do disco. Já a parceria com Bráulio Tavares foi ampliada com Sonhei (composta com a adesão de Ivan Santos), Umbigo – faixa egoica de batida funkeada com versos em inglês cantados por Ani DiFranco e com o toque do piano elétrico (e do Hammond B-3) de Eumir Deodato – e Lavadeira do rio, música mais identificada com o cancioneiro anterior do compositor e, talvez por isso mesmo, já apresentada previamente por Elba Ramalho no álbum Flor da Paraíba (1998). Músicos do Skank, o tecladista Henrique Portugal e o baterista Haroldo Ferretti tocaram na faixa e atuaram como coprodutores no registro de Lavadeira do rio por Lenine. Da lavra do compositor com Dudu Falcão, parceiro habitual de Lenine na criação de baladas líricas moldadas para rádios e trilhas sonoras de novelas, apareceram na voz do autor duas canções já previamente lançadas em discos de cantoras. Hit do álbum Falange canibal, até por ter sido incluída na trilha sonora da novela O clone (TV Globo, 2001 / 2002), a balada O silêncio das estrelas tinha sido apresentada (sem repercussão) há nove anos por Fátima Guedes no álbum Pra bom entendedor... (1993). Com Lenine, a balada ganhou cordas, o toque singular do violão do artista e um tom meio espacial que valorizou a melhor gravação de O silêncio das estrelas. Já Nem o sol, nem a lua, nem eu tinha sido cedida no ano anterior para Maria Bethânia incluir a canção no álbum Maricotinha (2001). Feita em tom suave, a abordagem de Lenine acentuou o lirismo da balada. Da parceria com Sérgio Natureza, Lenine rebobinou Caribantu – música lançada pela cantora Miriam Maria no álbum Rosa fervida em mel (2000) – e Encantamento. Samba calcado no toque do tambor, Caribantu harmonizou o canto do elenco do musical de teatro Cambaio com o coro da Velha Guarda da Mangueira, sem explorar todas as cores dos bambas da escola de samba verde-e-rosa. Já Encantamento traduziu o espírito antropofágico do álbum Falange canibal com enxertos na faixa de trechos de gravações de José Miguel Wisnik, de Lenine com Frejat – Pagode russo (Luiz Gonzaga e João Silva, 1947) – e do grupo Farlanders. Parceria inédita com Paulo César Pinheiro, No pano da jangada ecoou o moderno toque nordestino da obra de Lenine em gravação formatada somente com a voz e o batuque produzido com o percurtir dos pés do cantor. Da parceria com Lula Queiroga, Lenine reapresentou Rosebud (O verbo e a verba), composição lançada no ano anterior por Queiroga no álbum Aboiando a vaca mecânica (2001). Música funkeada da lavra solitária de Lenine, O homem dos olhos de raio X completou, com a batida do rock do grupo Living Colour, o repertório de Falange canibal, álbum cuja safra autoral resultou menos imponente no confronto com os cancioneiros dos dois discos anteriores do artista sem que isso tenha tornado o álbum menos vigoroso. Até porque, como já dito, importa muito na obra de Lenine a forma como as músicas são modeladas no estúdio com a alquimia deste artista que, com os pés nas raízes da música pernambucana e os ouvido nas antenas que captam sinais do mundo, vem produzindo som universal com voracidade antropofágica.
Veja Mais

13/07 - 'Viagem aos Sete Mundos': a exuberância natural e os animais exóticos da Austrália
Nova série do Fantástico te leva para explorar os cenários mais isolados do planeta. São flagrantes inesquecíveis num portal para sete mundos desconhecidos. 'Viagem aos Sete Mundos': a exuberância natural e os animais exóticos da Austrália Abra bem os olhos e aproveite cada instante. A série que estreia neste domingo é um portal para sete mundos desconhecidos. Vamos descobrir juntos como a Terra ainda no tempo dos dinossauros foi se partindo em mundos distintos - e conhecer a incrível diversidade que existe em cada um deles! No primeiro episódio tem a ave mais perigosa de todas - que mata até gente. E tem aranha no deserto que na verdade é cobra. É a estreia da série Viagem aos Sete Mundos! Ouça o podcast do Fantástico
Veja Mais

13/07 - Pesquisadores brasileiros eliminaram HIV de paciente com novo coquetel
Infectologista Ricardo Diaz anunciou para o mundo o resultado de uma pesquisa que deve marcar a historia do combate ao vírus HIV. Pesquisadores brasileiros eliminaram HIV de paciente com novo coquetel Todo dia, o mesmo trajeto. Rumo à Universidade Federal de São Paulo. Passos persistentes que levaram adiante. Esta semana, o infectologista Ricardo Diaz anunciou para o mundo o resultado de uma pesquisa que deve marcar a historia do combate ao vírus HIV. Em um congresso internacional todo online, ele detalhou como aparentemente conseguiu eliminar por completo o vírus do corpo de uma pessoa: “Interrompendo o tratamento a gente percebeu não só que o vírus não voltou, como ele não estava mais em locais onde ele fica normalmente nas células". Quando o HIV invade o corpo, ele se conecta, entra nas células de defesa onde libera seu material genético. Assim, consegue se multiplicar. Os remédios usados hoje controlam essa reprodução. Diminuindo assim a quantidade do no corpo e possibilitando uma vida saudável. Mas o HIV que fica adormecido dentro de algumas células. Neste tratamento proposto pela equipe do professor Diaz, substancias identificam essas células infectadas. Ao mesmo tempo, remédios são usados para matar essas células . E, outros, para estimular a produção de novas células saudáveis. “Está quase lá. A gente tem que esperar mais 2 anos pra ter um confiança maior pra ver se tudo está seguindo da forma como gente imaginava”, explica o infectologista. Se, nos próximos exames, o vírus continuar não dando as caras, esta terá sido a primeira vez que alguém ira poderá se ver totalmente livre do HIV só com o uso de medicamentos. Ouça o podcast do Fantástico
Veja Mais

13/07 - Jovens usam redes sociais para denunciar abusos de professores dentro da sala de aula
A reportagem especial do Fantástico traz relatos de assédio que acontecem onde os pais imaginam que os filhos estão em segurança: na escola. Jovens usam redes sociais para denunciar abusos de professores dentro da sala de aula “Eu me sentia estranha, eu me sentia errada de alguma forma”, diz uma aluna. “Será que é comigo? Será que eu fiz algo para provocar isso?”, questiona outra aluna. Esses relatos são de mulheres que foram assediadas por professores. Tem uma outra questão que liga todas essas jovens: é o jeito que elas decidiram contar as suas histórias. Elas usaram uma mesma palavra pra denunciar: exposed, que significa exposto, exposta. Um movimento mundial, que tem encorajado muita aluna a revelar casos de abuso. Nos últimos meses, a hashtag exposed vem reunindo denúncias, principalmente de mulheres, que alegam terem sofrido abuso por parte de professores. Alguns casos estão sendo investigados pela polícia e pelo Ministério Público. Mas por que alunas e ex-alunas preferiram expor algo tão delicado nas redes sociais? Veja na reportagem de Giuliana Girardi. Ouça o podcast do Fantástico
Veja Mais

13/07 - Primeira-dama de RO testa positivo para Covid-19 e governador anuncia que está de quarentena
Em live no Facebook, Coronel Marcos Rocha revela ainda que Fernando Máximo, secretário Estadual de Saúde, segue internado na UTI. Governador informou ainda que também fez o exame, que deu negativo. A primeira-dama de Rondônia, Luana Rocha. Arquivo Pessoal A primeira-dama de Rondônia e titular da Secretaria de Estado da Assistência e do Desenvolvimento Social (Seas), Luana Rocha, testou positivo para o novo coronavírus. A informação foi repassada pelo governador do estado, Coronel Marcos Rocha (sem partido), através de live no Facebook na noite deste domingo (12). Por causa do diagnóstico, Marcos Rocha informou que, por recomendação médica e morar com Luana, fará quarentena de 14 dias com a esposa. O chefe do estado disse ainda que também fez o teste poucos dias antes de sua mulher, e que o resultado deu negativo. Coronel Marcos Rocha e esposa estão de quarentena. Divulgação/Governo de Rondônia "Na quinta-feira (9) passada, a Luana, minha esposa, ela fez um teste e agora no sábado (11) esse teste dela deu positivo. Eu já tinha feito o teste, alguns dias antes, e havia dado negativo. Mas como eu resido com ela, que está bem graças a Deus, então convém que os dois façam a quarentena. Então, eu estou de quarentena, ela está de quarentena também. E eu vou continuar fazendo os vídeos, fazendo as ações, assinando os documentos. Graças a Deus nós temos o sistema que nos permite fazer as assinaturas, a leitura dos documentos, que é o SEI", explicou. "Mas eu estou bem, a Luana também está bem. Estamos fazendo o tratamento normal. Eu vou ficar esses 14 dias afastado, trabalhando de casa. Se Deus quiser, tudo vai correr bem. Nosso estado sairá dessa", disse o governador. Antes de anunciar o diagnóstico de Luana e seu estado de saúde, Marcos Rocha falou sobre o caso do secretário Estadual de Saúde (Sesau), Fernando Máximo, que também positivou para o novo coronavírus. Fernando Máximo foi internado em UTI de Porto Velho. Divulgação/Sesau Segundo Rocha, Máximo segue internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) de um hospital de Porto Velho. O secretário passou a ser acompanhado por médicos na sexta-feira (10). "Está melhorando já a questão dele da respiração. Os pulmões estão se abrindo. Ele vai ficar bem", disse Marcos Rocha. Máximo anunciou em suas redes sociais o diagnóstico positivo ao vírus Sars-Cov-2. Em um vídeo postado no Instagram, afirmou estar bem clinicamente, mas falou com uma respiração ofegante durante toda a gravação. Curva em ascensão Rondônia chegou a 26.728 casos confirmados do novo coronavírus neste domingo (12) e já soma 628 óbitos, segundo dados divulgados pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesau). São 232 confirmações a mais do que o registrado no último sábado (11). Porto Velho continua sendo a cidade com maior número de infectados: são 15.656 diagnósticos da doença e 425 óbitos. Em seguida está Guajará-Mirim (1.720), Ariquemes (1.702) e Jaru (877). A Secretaria de Estado da Saúde também divulgou no boletim que há: 15.755 pacientes recuperados; 404 pacientes internados no total; 95.244 testes realizados e; 1.343 casos suspeitos aguardando resultado no Lacen. Neste domingo (12), a taxa de ocupação de leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) adultos é de 72,16%. Desses leitos de UTI, 68,7% estão ocupados na macrorregião I, que inclui hospitais de Porto Velho, Ariquemes e Jaru, e 83% ocupados na macrorregião II, que engloba os hospitais de Cacoal, Vilhena e São Francisco do Guaporé. Initial plugin text
Veja Mais

13/07 - Argentina supera 100 mil casos de Covid-19
País também contabiliza 1.845 mortos por coronavírus e 43 mil recuperados. A Argentina superou os 100 mil casos de Covid-19, em meio ao confinamento da Região Metropolitana de Buenos Aires, foco de 95% dos contágios em todo o país, informou neste domingo (12) o Ministério da Saúde do país. O último boletim registrou 27 novos óbitos, elevando o total de mortos na pandemia a 1.845, com 100.153 contagiados e 43 mil recuperados. OMS registra 230 mil casos de Covid-19, e mundo atinge novo recorde diário de infecções Argentina: país enfrenta um agravamento da crise econômica com a pandemia de coronavírus Reuters A Região Metropolitana abrange a cidade de Buenos Aires e os 13 distritos que a cercam, com uma população global que supera os 14 milhões, em um país de 44 milhões de habitantes. O distanciamento social na região mais populosa do país completou neste domingo 115 dias e termina na sexta-feira. O ministério reportou, também no domingo, 2.657 novos casos do novo coronavírus. As autoridades ainda discutem quais médicos serão adotados depois desta data, embora sejam aguardadas algumas reaberturas de comércios e permissões para praticar corridas em parques dos arredores. Na maioria das 23 províncias, a circulação do vírus é muito baixa e são aplicados diferentes níveis de flexibilização do isolamento e uma abertura crescente das atividades. "A tomada de decisões (de confinamento) na Região Metropolitana continuará sendo consensual. Há ideias diferentes que podem ser expressas em um diálogo democrático", disse à imprensa Santiago Cafiero, chefe do gabinete e ministro coordenador do governo do presidente Alberto Fernández. Até agora, Fernández estabeleceu o confinamento em concordância com Horacio Rodríguez Larreta, prefeito de Buenos Aires (capital federal com 3 milhões de habitantes) e líder de um setor moderado da oposição. Os oposicionistas mais radicais organizaram na quinta-feira uma manifestação contra a quarentena e o governo em várias cidades. Um protesto em Buenos Aires provocou um incidente com a agressão de jornalistas. A Argentina tem até agora uma taxa de 30 mortos por milhão de habitantes. A ocupação de leitos de terapia intensiva na região metropolitana é de 60%, segundo o Ministério da Saúde. Quando Fernández assumiu o cargo em dezembro, a economia estava em recessão havia quase dois anos, mas a pandemia provocou um colapso. O Banco Central calcula para este ano uma redução de 12% do Produto Interno Bruto (PIB).
Veja Mais

13/07 - 'Quanto mais eu me debatia, mais ele apertava a botina no meu pescoço', diz mulher vítima de violência policial em SP
Uma mulher negra de 51 anos foi vítima de mais um episódio de violência policial em São Paulo. O Fantástico teve acesso a vídeo que mostra PM pisando no pescoço dela para imobilizá-la. 'Quanto mais me debatia, mais ele apertava a botina no meu pescoço', diz agredida por PM Flagrante de violência policial em São Paulo: um PM pisa no pescoço de uma mulher negra de 51 anos para imobilizá-la. Viúva, com cinco filhos e dois netos, ela é uma comerciante que vive de um pequeno bar. E foi no trabalho dela que a mulher se tornou vítima desse episódio de violência policial. O Fantástico teve acesso a um vídeo que mostra a violência. Os policiais alegaram que foram atacados com uma barra de ferro e que estavam se defendendo. A mulher nega. Confira no vídeo acima a reportagem de Valmir Salaro e Renato Ferezim. Ouça o podcast do Fantástico:
Veja Mais

13/07 - Neto corre 350 km para visitar avó de 98 anos em asilo nos Estados Unidos
Corey Cappeloni fez uma campanha de doação para o asilo que a avó mora, nos Estados Unidos. Aos 98 anos, ela venceu a Covid-19. O neto, além de correr 350 km até chegar na casa de repouso, arrecadou R$ 150 mil. Neto corre 350 km para visitar avó de 98 anos em asilo nos Estados Unidos Corey Cappeloni cresceu na casa da avó e a considera uma segunda mãe. Aos 98 anos, dona Ruth mora em um asilo na Pensilvânia. Vendo a senhora cada vez mais deprimida por estar longe do neto no meio da pandemia, ele decidiu correr até onde a vó mora para dar um abraço. Cappeloni percorreu 350 km de Washington até a Pensilvânia, mas antes de iniciar a corrida, descobriu que a avó tinha contraído a Covid-19. Com fé na senhora quase centenária, ele não cancelou os planos. Dona Ruth se curou do novo coronavirus e a corrida do neto ainda conseguiu juntar R$ 150 mil para a casa de repouso que ela mora. Confira a reportagem no vídeo acima. Ouça o podcast do Fantástico:
Veja Mais

13/07 - Buzinas em vez de aplausos: como funcionam os shows drive-in durante pandemia
A banda Jota Quest foi uma das pioneiras no novo formato. O Fantástico mostra os bastidores dessa nova forma de assistir um show: dentro de um carro. Buzinas em vez de aplausos: como funcionam os shows drive-in durante pandemia Quando é que a gente imaginou que iria entrar num estádio de futebol num carro? E que em vez de ter bola rolando, o gramado viraria um grande estacionamento? É a volta dos drive-in. Um dos pioneiros foi o Jota Quest, que lotou o estádio do Palmeiras no fim de junho. Ao lado de cada carro, foram instaladas duas caixas de som. É assim que estão acontecendo shows musicais durante a pandemia. A novidade não é tão nova assim e muita gente que se lembra bem dos cines drive-ins, que faziam sucesso no século passado. Mas agora, as telonas que antes passavam filmes também dividem espaço com grandes produções e até cultos evangélicos. Veja na reportagem acima. Ouça o podcast do Fantástico
Veja Mais

13/07 - Promotores de Justiça vão orientar prefeitos de cidades fora do Minas Consciente para cumprimento de decisão judicial
Na última quinta-feira, a Justiça determinou que as cidades que não tiverem aderido ao programa estadual de flexibilização social só permitam funcionamento de serviços essenciais. Sars CoV-2, o novo coronavírus causador da Covid-19 Mayo Clinic A partir desta segunda-feira (13), promotores de Justiça de Minas Gerais começam a se reunir com os prefeitos e secretários de saúde para discutir o cumprimento de decisão judicial da última quinta-feira (9), que faculta aos municípios a escolha entre adesão ao programa Minas Consciente ou funcionamento apenas de serviços essenciais. O assunto foi tema de reunião remota com cerca de 200 promotores e procuradores neste domingo (12). De acordo com a decisão, os municípios mineiros ainda têm autonomia para aderir a uma das duas deliberações do governo do estado para conter o avanço da Covid-19. Uma delas, a 17, autoriza o funcionamento apenas de serviços essenciais. A outra, a 39, cria o Minas Consciente, programa que dá diretrizes para a flexibilização através do conceito de ondas. “Os municípios que não aderiram ao Minas Consciente não podem ficar num limbo, flexibilizando, autorizando prestação de serviços não essenciais sem esta adesão. Se não aderir ao Minas Consciente, o município tem que retornar na deliberação 17, que trata apenas da liberação dos serviços essenciais”, afirmou o Procurador-Geral Antonio Sérgio Tonet. Como os prefeitos terão que editar decretos para determinar a adesão a uma ou a outra deliberação estadual, as cidades não serão imediatamente enquadradas em atos de improbidade ou desobediência, por não estarem em conformidade com as normas. “A urgência nestas tratativas vai ser determinada pelo índice de contaminação na região. Os prefeitos terão um tempo maior, dependendo da situação verificada pelos promotores de Justiça em cada localidade”, disse. Até a conclusão do julgamento da ADC, as decisões que afastam a aplicação das normas e os processos que apreciam a matéria estão suspensos. Em nota, o Governo de Minas disse que "reconhece a autonomia dos municípios, mas, tendo em vista a decisão judicial que teve como base uma ação do Ministério Público, reforça a necessidade de uma atuação conjunta". Initial plugin text
Veja Mais

13/07 - Dois parques da Disney reabrem em Orlando nos Estados Unidos; Veja o que muda
Visitantes serão obrigados a usar máscara e temperatura será medida; no Japão, parques de diversão reabriram em junho, mas com mais uma regra: não pode gritar na montanha-russa. Dois parques da Disney reabrem em Orlando nos Estados Unidos; Veja o que muda Dois parques do complexo da Disney reabriram este fim de semana, em Orlando, nos Estados Unidos. A reabertura acontece justamente quando a Flórida registra recorde de mais de 15 mil novos casos de Covid-19 em 24 horas. Os visitantes são obrigados a usarem máscara e a terem a temperatura medida logo na entrada. No Japão, onde os parques de diversão reabriram em junho, tem uma regra a mais: não pode gritar na montanha-russa. Administradores de um dos parques explicou como fazer isso. Confira a reportagem no vídeo acima. Ouça o podcast do Fantástico:
Veja Mais

13/07 - Justiça Militar manda soltar PMs presos suspeitos de espancar homem na Zona Norte de SP
Decisão de soltura de todos os policiais militares envolvidos em ocorrência no Jaçanã é do juiz Enio Luiz Rossetto, da 3ª Auditoria Militar de São Paulo; caso completa um mês nesta segunda-feira (13). Policiais que agrediram rapaz na Zona Norte são afastados pela Corregedoria A Justiça Militar de São Paulo mudou de entendimento e determinou a soltura dos oito policiais militares presos sob a acusação de espancar um homem numa comunidade no Jaçanã, Zona Norte de São Paulo, na madrugada de 13 de junho deste ano. O caso veio à tona após a divulgação de vídeo da agressão nas redes sociais (veja acima). O crime é investigado pela Corregedoria da Polícia Militar (PM) e pelo Ministério Público Estadual (MPE). A decisão é desta sexta-feira (10) mas ainda não foi publicada pela Justiça Militar. A reportagem não teve acesso à íntegra do documento. A assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça Militar (TJM), todavia, confirma a decisão. De acordo com a Secretaria Estadual da Segurança Pública, todos os PMs acusados desse crime já deixaram o presídio militar Romão Gomes, localizado na Zona Norte de São Paulo. Eles estavam presos desde 15 de junho. De acordo com o Tribunal de Justiça Militar, o juiz revogou a prisão preventiva dos policiais a pedido da defesa dos PMs. “O magistrado entendeu, como temos sustentado desde o início, que não era o caso de acautelar preventivamente os policiais”, disse o advogado Fernando Capano, que defende quatro dos oito policiais militares. Segundo o Tribunal de Justiça Militar, o magistrado revogou a prisão preventiva após o Ministério Público Estadual solicitar novas investigações por parte da Corregedoria da Polícia Militar. A soltura desses policiais representa uma reviravolta no caso, uma vez, que, semanas atrás, a mesma Justiça Militar negou um habeas corpus em que a defesa dos policiais pedia a libertação do grupo. A primeira decisão foi de outro juiz, Marcos Fernando Theodoro Pinheiro. Indiciamento Segundo a Secretaria da Segurança Pública, nove PMs foram indiciados por participação nesse caso. Entre os crimes atribuídos aos policiais, estão lesão corporal, abuso de autoridade e prevaricação. Inicialmente a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça Militar (TJM) havia informado ao G1 que o pedido de liberdade, feito por habeas corpus, havia sigo negado para os oito PMs, mas depois se corrigiu. E informou que o pedido foi negado para quatro dos oito policiais. A informação foi alterada às 11h15 de 27 de junho. O advogado Fernando Capano, que defende os quatro PMs que tiveram o pedido liminar negado, disse à reportagem que o TJM vai julgar depois o mérito do habeas corpus. "Entendo que não há critérios para a prisão preventiva. Eles não têm de responder presos, mas soltos”, falou o advogado Capano, que atua na defesa do 1º tenente Wagner dos Santos, e dos soldados Francisco Xavier de Freitas Neto, Caio William Bruno Lopes e Bruno Ferreira de Jesus. O advogado Cleiton Leal Guedes, que defende os outros quatro PMs que ainda não entraram com pedido de liberdade, falou ao G1 que estuda o caso. "No momento oportuno vamos pedir [a liberdade] sim", disse o advogado Guedes, que faz a defesa do 3º sargento João Alberto Busnardo, e dos soldados Igor Alvarenga Quizzeppi da Silva, Eduardo Xavier de Souza e Maycon Vinícius Santos da Silva. Agressão O grupo formado por seis soldados, um sargento e um tenente é investigado pelo crime de agressão contra o pizzaiolo Weslei da Fonseca Guimarães, de 27 anos, sendo que alguns teriam agido diretamente, e outros presenciado, sendo coautores devido a omissão. O caso ainda em apuração ocorreu na Rua das Flores. Um vídeo gravado com câmera de celular por uma testemunha registrou quando o homem, já rendido e no chão, era cercado pelos policiais e agredido com tapas e golpes de cassetete, antes de ser arrastado escadaria acima e enfrentar uma nova sessão de espancamento. Uma testemunha relatou que a agressão ocorreu por volta das 3 horas, quando o rapaz estava fumando cigarro e bebendo com amigos na calçada. Em seguida, um tumulto foi iniciado pela polícia para dispersão dos amigos. Após a correria, apenas Weslei teria permanecido no local. Ele foi agredido, teria revidado e então acabou cercado pelos demais agentes. Ao tomar conhecimento do episódio, a Polícia Militar afastou das ruas os oito PMs da Força Tática do 43º Batalhão, e a Corregedoria pediu na Justiça para que os suspeitos aguardassem presos a conclusão do inquérito a fim de garantir as investigações, a “ordem pública”, e também devido a “periculosidade dos agentes”. O Ministério Público Militar foi consultado sobre o pedido, opinou favoravelmente e a Justiça Militar determinou a prisão de todos. Vídeo mostra policiais espancando homens em SP A Justiça informou que aguardava outras provas, como o exame de corpo de delito, mas comunicou que as imagens já anexadas ao inquérito comprovam uma série de agressões praticadas pelos policiais militares. “Ali se observa quantidade e intensidade de golpes de cassetete e tapas ou socos contra a vítima. Bem provável que tenha resultado lesões”, diz a decisão judicial. "De tudo o que foi apurado até aqui, observa-se que – nem de longe – os investigados agiram sob o manto das excludentes da legítima defesa ou do estrito cumprimento do dever. Por ora, a liberdade dos investigados abala a credibilidade da instituição policial militar e gera sentimento de impunidade perante as dezenas de milhares de homens e mulheres fardados, armados e treinados pelo Estado. A violência deve ser contida, também, pelo exemplo", justificou o juiz Marcos Fernando Theodoro Pinheiro em sua decisão. O que dizem os 8 PMs Soldado Bruno Ferreira de Jesus: admitiu que “se exaltou e desferiu dois golpes de cassetete". Soldado Maycon Vinícius Santos da Silva: admitiu que arrastou o homem escadaria acima e assumiu ter dado um tapa. Soldado Eduardo Xavier de Souza: disse que entrou em luta corporal com o homem, embora as imagens não mostrem o momento. 1º tenente Wagner dos Santos e soldados Igor Alvarenga Quizzeppi da Silva e Caio William Bruno Lopes: não aparecem nas imagens realizando agressões, mas assistindo aos golpes; 3º sargento João Alberto Busnardo: não aparece nas imagens, entretanto, uma testemunha relatou que o grupo de amigos se abrigou em sua casa em meio à correria, e o sargento, portando uma calibre 12 e arrombando o portão, ordenou que todos se apresentassem; Soldado Francisco Xavier de Freitas Neto: não aparece nas imagens, mas foi quem inicialmente abordou a vítima e apresentou um boletim de ocorrência informando que Weslei fugiu. "Depreende-se que tinha conhecimento das agressões e, ao se omitir, aderiu à conduta dos demais", na visão do juiz Marcos Fernando Theodoro Pinheiro.
Veja Mais

13/07 - Australiano acusado de massacre na Nova Zelândia decide fazer a própria representação em julgamento
Brenton Harrison Tarrant foi acusado formalmente de matar dezenas de pessoas em duas mesquitas do país. Sentença será conhecida em 24 de agosto. O australiano acusado de matar dezenas pessoas em duas mesquitas na Nova Zelândia decidiu conduzir a sua própria representação no julgamento de seu caso agendado para 24 de agosto. Em março do ano passado, Brenton Harrison Tarrant, de 28 anos, foi acusado formalmente em uma corte do Distrito de Christchurch. Ele reponde por 51 assassinatos, 40 tentativas de assassinatos e também por terrorismo. Os ataques ocorreram nas mesquitas Masjid Al Noor e Linwood e foi transmitido ao vivo pela internet. Brenton Tarrant é acompanhado por policiais durante sua apresentação à corte do Distrito de Christchurch, na Nova Zelândia, no sábado (16) Mark Mitchell/New Zealand Herald/Pool Em uma audiência realizada no tribunal de Christchurch, neste domingo (horário de Brasília), os advogados de Tarrant confirmaram que estavam deixando o caso depois que o suspeito decidiu cuidar da sua própria representação. A primeira-ministra neozelandesa, Jacinda Ardern, definiu o ataque como "um ato de violência sem precedentes na Nova Zelândia". Depois do massacre, o país proibiu armas semiautomáticas de estilo militar e fuzis de assalto. Nova Zelândia anuncia proibição de venda de armas militares
Veja Mais

13/07 - Coronavírus pode ser transmitido pelo ar, alerta grupo de cientistas
Carta de alerta assinada por 239 cientistas do mundo todo para a OMS diz que a Covid-19 pode ser transmitida também pelo ar; veja como se proteger. Coronavírus pode ser transmitido pelo ar, alerta grupo de cientistas Esta semana, um grupo de respeitados cientistas fez um alerta através de uma carta para a Organização Mundial da Saúde. Os 239 cientistas que assinaram a carta dizem que o novo coronavírus pode ter outras formas de transmissão, além das já conhecidas; uma delas seria através de partículas suspensas no ar. O Fantástico ouviu especialistas e também o único brasileiro cientista convidado a assinar a carta sobre os novos cuidados necessários para evitar a contaminação pela Covid-19. Confira a reportagem no vídeo acima. Ouça o podcast do Fantástico
Veja Mais

13/07 - Quadrilha aluga apartamento para fazer arrastão em prédio no Centro de Santo André, no ABC Paulista
Assaltantes levaram os equipamentos que gravam as imagens do sistema de segurança. Uso de máscara por causa da pandemia de coronavírus pode atrapalhar identificação dos envolvidos. Um grupo de assaltantes fez um arrastão em um condomínio de apartamentos no Centro de Santo André, no ABC Paulista, neste sábado (11). Reprodução/Google Street View Um grupo de assaltantes fez um arrastão em um condomínio de apartamentos no Centro de Santo André, no ABC Paulista, neste sábado (11). Ao menos dois imóveis foram invadidos durante a ação. Para facilitar a entrada da quadrilha, um dos integrantes alugou um dos apartamentos, que foi usado como "escritório do crime." O G1 apurou que os ladrões levaram a central que registra e grava as imagens do circuito interno de segurança do condomínio. O que também pode dificultar a identificação dos criminosos é o uso de máscaras por causa da pandemia de coronavírus. A estratégia usada pelo grupo foi a de um deles ter alugado um dos apartamentos do prédio algumas semanas antes do crime realizado neste sábado. Para permitir a entrada dos demais integrantes da quadrilha, o falso locatário informou que chamaria uma equipe para pintar o imóvel. Eles roubaram uma quantia em dinheiro e joias de moradores, além de um carro usado, que foi usado na fuga. Ao todo, a polícia investiga a participação de ao menos seis pessoas. Uma equipe de peritos esteve no condomínio para coleta de possíveis vestígios deixados pelos assaltantes. O caso será investigado pelo 1º Distrito Policial de Santo André. Outros casos Em junho deste ano, dois rapazes invadiram um condomínio de luxo no bairro Jardim, em Santo André, no ABC Paulista. O porteiro percebeu que eles fariam um assalto e desligou a força do prédio, deixando um deles preso no elevador até a chegada da Polícia Militar. Suspeito invade prédio e fica preso no elevador após porteiro desligar energia do local Durante o tempo que ficou preso no elevador, o rapaz tentou abrir a porta com uma chave de fenda, sem sucesso. O outro rapaz conseguiu fugir. No boletim de ocorrência, o porteiro informou à polícia que o rapaz preso no elevador se identificou como sobrinho de um morador para conseguir entrar. Mesmo após liberar a entrada dele com o outro comparsa, o porteiro desconfiou dos dois e resolveu desligar a força do prédio e chamar a polícia. Ele percebeu que o rapaz estava mentindo quando falou com o morador do apartamento que o suspeito dizia que iria visitar, mas o morador não confirmou a visita. Em São Caetano do Sul, também no ABC Paulista, outro condomínio foi alvo de ação de uma quadrilha. Desta vez, o furto foi consolidado, também em junho deste ano, no Jardim Santo Antônio. Segundo a polícia, um grupo composto por seis homens armados estavam em um apartamento alugado no prédio. O porteiro foi chamado para resolver o que seria um problema no imóvel, mas foi dominado pelos assaltantes quando chegou no apartamento. Ainda segundo a investigação, o grupo pediu para ir ao "apartamento dos chineses". O porteiro então informou que eles haviam mudado do prédio. Os assaltantes então pediram para o funcionário levá-los a outro apartamento. Criminosos alugam apartamento em SP e fazem arrastão enquanto vizinhos viajam Em dezembro do ano passado, câmeras de segurança gravaram o momento em que um grupo de homens acessa o elevador do prédio onde ocorreu um arrastão na Vila Mariana, na Zona Sul da cidade de São Paulo. Moradores do edifício afirmam que eles invadiram sete apartamentos. As imagens mostram quando homens de boné se espremem no elevador pequeno, com bolsas e mochilas, em um prédio residencial de alto padrão na Rua Estado de Israel. As câmeras também registraram a saída do grupo na garagem. Prefeito de São Bernardo do Campo Prédio onde mora prefeito Orlando Morando, de São Bernardo do Campo, foi invadido por ladrões Glauco Araújo/G1 e Reprodução/Redes sociais Em setembro do ano passado, um grupo de assaltantes que fez um arrastão em um condomínio de luxo em São Bernardo do Campo estava morando em um apartamento alugado no mesmo local havia cerca de um mês. O prédio fica no bairro Chácara Inglesa, em São Bernardo do Campo, no ABC Paulista. No condomínio mora o prefeito da cidade, Orlando Morando (PSDB), que publicou um vídeo em uma rede social informando sobre o caso e que ele é sua família estavam bem. Segundo a polícia, eles usaram documentos falsos para fazer a locação de um apartamento no 3 andar. Durante o tempo em que moraram no prédio, os criminosos não usavam os elevadores, o que a polícia acredita que tenha sido uma estratégia do grupo para evitar serem filmados pelas câmeras de segurança. Durante esse período, os assaltantes moradores tinham o controle de acesso ao condomínio pela garagem. Foi dessa maneira que os quatro assaltantes entraram com um carro branco, que a polícia acredita que tenha sido clonado, na manhã desta quarta. O grupo entrou em cinco apartamentos, sendo que um deles era unificado por dois apartamentos, ocupando um andar inteiro. Em parte dos apartamentos invadido, o quarteto conseguiu entrar apenas tocando a campainha. E outros eles arrombaram a porta para entrar. Sete pessoas foram dominadas e amarradas pelos crinimosos, entre moradores e funcionários. O grupo roubou joias e dinheiro das famílias, cujo montante ainda não foi informado à polícia pelas vítimas. O prefeito Orlando Morando disse que os moradores estão bem e tiveram apenas prejuízos materiais. "Quero tranquilizar a todos. Eu, minha família e meus vizinhos estamos bem. Infelizmente, o prédio onde moramos sofreu um arrastão pela manhã. As perdas foram apenas materiais e, isso, lamentamos. É um episódio estranho, a polícia está investigando, mas, a velha política aproveita para fazer fake news ao invés de prestar solidariedade. Estão tentando enganar as pessoas, dizendo que a polícia está em casa. É mentira. A polícia está lá nos defendendo, apurando e procurando os criminosos”, disse Morando.
Veja Mais

13/07 - Veículo cai embaixo de ponte e motorista morre, em Fortaleza
O homem chegou a ser resgatado pelos Bombeiros com sinais vitais, mas morreu no local. Motorista morre após veículo cair embaixo de ponte em Fortaleza Brenda Albuquerque/ SVM Um motorista morreu após capotar o veículo e cair embaixo de uma ponte no Bairro Granja Portugal, em Fortaleza, na noite deste domingo (12). A vítima se trata de Jonas Sombra de Farias, de 43 anos. Segundo autoridades que atenderam a ocorrência, o condutor dirigia pela Rua Itajaí e, ao atravessar o cruzamento da Avenida Emílio de Menezes, caiu embaixo da ponte. O Corpo de Bombeiros esteve no local e resgatou o motorista de dentro do carro ainda apresentando sinais vitais, porém, sem respirar. Os socorristas tentaram reanimar o homem, mas ele morreu no local.
Veja Mais

13/07 - Caso Naya Rivera: Fantástico vai ao lago em que atriz desapareceu
Naya Rivera, que ficou conhecida na série musical “Glee” desapareceu no Lago Piru, na Califórnia. Filho de 4 anos da atriz foi encontrado sozinho em barco. Caso Naya Rivera: Fantástico vai ao lago em que atriz desapareceu Quarta-feira, 8 de julho. Ventura, Califórnia. O silêncio do lago Piru é interrompido por um chamado: - 911. - Emergência! Encontramos uma criança sozinha em um barco. A mãe não está em lugar nenhum! O barco à deriva chamou atenção da moradora. Nele, uma criança de quatro anos esperava pela mãe, que supostamente tinha saído para mergulhar e nunca mais voltou. Parece até um filme de suspense, mas infelizmente é a última cena de uma história real. A da atriz Naya Rivera, que ficou conhecida na série musical “Glee”. O lago tem cinco mil metros quadrados. E suas águas chegam a quarenta metros de profundidade. Helicópteros sobrevoaram toda a região. E depois de mais de vinte horas de buscas, com oitenta homens envolvidos e a imprensa do mundo inteiro acompanhando, a polícia já descartava a possibilidade de encontrar a atriz com vida. Agora procuram o corpo com ajuda de um robô submarino no fundo do lago. O Fantástico esteve no lago -- que está interditado pela polícia -- e conversou com moradores. Veja a reportagem no vídeo acima. Ouça o podcast do Fantástico
Veja Mais

13/07 - Mandetta, Teich e especialistas debatem pandemia do novo coronavírus no Brasil
Ex-ministros da Saúde, médicas e biólogo participaram de discussão promovida pela GloboNews. Mandetta e Teich estiveram no ministério durante a pandemia. Ex-ministros Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich discutem pandemia e saúde no Brasil Os ex-ministros da Saúde Luiz Henrique Mandetta e Nelson Teich, a epidemiologista Maria Amélia Veras, a pneumologista Margareth Dalcolmo e o biólogo Atila Iamarino participaram neste domingo (12) de um debate na GloboNews sobre a pandemia do novo coronavírus. Ministros da Saúde no governo de Jair Bolsonaro, Mandetta e Teich deixaram o cargo em razão de divergências com o presidente na estratégia para enfrentar a pandemia. Médico e ex-deputado federal, Mandetta era o ministro da Saúde quando o Brasil registrou o primeiro caso de Covid-19, em fevereiro. Ele foi substituído em 17 de abril por Teich. Médico e empresário, Teich pediu demissão em 15 de maio. Desde a saída de Teich, o general do Exército Eduardo Pazuello, sem experiência prévia em saúde pública, responde de forma interina pelo Ministério da Saúde. Segundo dados consolidados às 20h deste domingo por um consórcio de veículos de imprensa, o Brasil teve 659 mortes pela Covid-19 nas últimas 24 horas, chegando ao total de 72.151 óbitos. Com isso, a média móvel de novas mortes na última semana foi de 1.036 por dia, uma variação de 4% em relação aos óbitos registrados em 14 dias. Em casos confirmados foram 25.364 registrados no último dia, com o total de 1.866.176 de brasileiros infectados pelo novo coronavírus. Mandetta ‘A partir de setembro, o novo normal vai ser a tônica’, diz Mandetta Questionado sobre os estágios da pandemia, Mandetta declarou que mantém as previsões que indicam diferentes fases da epidemia pelo país, com uma melhora em setembro. Ele alertou para o risco de eventuais altas de casos e destacou a necessidade de manutenção de cuidados, como uso de máscara. "Acho que a gente vai até setembro passando por essa onda maior. A partir de setembro, esse 'novo normal', com distanciamento relativo, mas com as cidades funcionando vai ser a tônica", disse o ex-ministro da Saúde. Teich Teich: ‘Falta de informação é um dos maiores problemas que temos hoje’ Sucessor de Mandetta, Teich voltou a abordar a falta de informações precisas para traçar as estratégias de enfrentamento à Covid-19. Segundo ele, o conhecimento sobre distanciamento social ‘é o mesmo' do início da pandemia, com falta de critérios técnicos para planejar a saída do isolamento. “Da mesma forma que a gente fala que tem que tratar o medicamento de uma forma científica, eu acho que a gente está tratando muito pouco a estratégia de distanciamento de uma forma científica", declarou o ex-ministro, que defendeu refazer o planejamento de enfrentamento à Covid-19 . Maria Amélia Maria Amélia Veras: ‘Não basta teste, tem que haver rastreamento e isolamento’ A epidemiologista Maria Amélia Veras também destacou a importância do uso da inteligência para analisar os dados sobre a Covid-19 e definir as ações a serem adotadas. Para ela, além de realização de testes, é preciso rastrear e isolar as pessoas infectadas, o que não ocorreu de forma organizada no país. "Testes têm que ser usados de forma inteligente, em um programa de rastreamento, que se faça acompanhar de isolamento das pessoas doentes, de quarentena das pessoas que são comunicantes para que a gente interrompa as cadeias de transmissão", declarou. Margareth Dalcolmo Pneumologista Margareth Dalcolmo fala sobre a onda de negacionismo A pneumologista Margareth Dalcolmo foi questionada sobre o negaciosismo à gravidade do novo coronavírus. Sem citar a hidroxicloroquina, a especialista declarou que o Brasil ainda gasta "energia" em discussões sem "o menor sentido", enquanto as atenções deveriam estar na tentativa de conter a epidemia em zonas mais pobres, por exemplo. "Deveríamos estar pensando em qual é o protocolo que vou poder colaborar em uma comunidade mais carente, em um hospital, como vou fazer para dar segmento à produção de testes que estão sendo feitos e não têm uma logística de liberação para serem usados na rede do SUS", afirmou. Atila Iamarino Atila Iamarino: ‘Brasil é um dos poucos países que ainda discute cloroquina’ O biólogo Atila Iamarino apontou a dificuldade para alinhar o discurso das autoridades de estados, municípios e União, bem como a falta de uma estratégia unificada das medidas de distanciamento social e de retomada das atividades econômicas. Segundo ele, o Brasil ainda discute tratamento sem eficácia comprovada. "O Brasil é um dos únicos países que ainda segue discutindo cloroquina e outros tratamentos que muitos países abandonaram testes ou não seguem fazendo. É um dos poucos países em que os líderes não aparecem de máscara ou recomendando que as pessoas usem máscaras", disse.
Veja Mais

13/07 - Resgate da cadela Brigitte mobiliza vizinhos e revela realidade de abrigos lotados na quarentena
A cachorrinha ficou horas presa num carro e precisou ser socorrida por policiais e bombeiros. Caso mobilizou e comoveu a vizinhança de um bairro em São Paulo. Resgate da cadela Brigitte mobiliza vizinhos e revela abrigos lotados na quarentena Quem vê a fofura da Brigitte andando pelas ruas toda animada, nem imagina a confusão em que ela se meteu em uma rua de São Paulo, semanas atrás. Pessoas que passavam pelo local ouviram latidos da cadelinha dentro de um carro estacionado e se mobilizaram para tirá-la de lá. A situação gerou comoção entre a vizinhança, que acionou a polícia e os bombeiros. Representantes do projeto Cadeia Para Maus-tratos, de proteção aos animais, também foram chamados. O dono da Brigitte, o advogado Everson Rogério Pavani, então apareceu. Quem acompanhava o resgate se indignou. O caso foi parar na delegacia. À polícia, Everson disse ia deixar o filho na casa da cunhada, mas foi convidado para jantar e achou que não ia demorar. Afirmou ainda que a cachorra é muito bem cuidada. Ele será investigado por maus-tratos a animais, crime que pode dar de três meses a um ano de cadeia. Desde que a quarentena começou, abrigos para animais abandonados quase não dão conta de tanta demanda. Por enquanto, a Brigitte tem um novo lar - pelo menos até uma decisão da Justiça. Aliás, a cachorrinha foi rebatizada como Valentina. A tutora temporária dela prefere não mostrar o rosto. Mas, pela felicidade da cadelinha, esse parece ser o início de uma longa amizade entre as duas. Ouça o podcast do Fantástico
Veja Mais

13/07 - Detetive Virtual: vídeo da águia com o peixe é verdade ou mentira?
O vídeo viralizou esta semana na internet: foram mais de 16 milhões de visualizações em redes sociais do mundo todo. Mas será que ele é verdade, ou mentira? Detetive Virtual: vídeo da águia com o peixe é verdade ou mentira? O vídeo acima viralizou geral nos últimos dias: foram mais de 16 milhões de visualizações em redes sociais do mundo todo. Um pássaro surge voando, carregando alguma coisa. Um peixe enorme! É um golfinho? Um tubarão? E a ave cruza o céu majestosamente, com o peixe vivinho da Silva. Ele se debate, mas não tem jeito, o pássaro segura o bicho e continua seu voo tranquilamente. Será verdade esse vídeo? Pássaro tem essa força toda, pra voar carregando tanto peso? Ou será que é um drone todo disfarçado, pra fazer uma brincadeira? Ou será que essa cena é toda digital? Estamos diante de uma cena corriqueira da natureza? Ou é tudo uma montagem? Isso é um trabalho para o Detetive Virtual! Ouça o podcast do Fantástico
Veja Mais

13/07 - Passageiros do transporte coletivo de BH são surpreendidos no 1º domingo após mudanças em horários
Ônibus só circularam de 6h às 10h e de 16h às 20h. Ponto de ônibus estava vazio em Belo Horizonte no domingo Reprodução / TV Globo No primeiro domingo após as alterações do quadro de horários de ônibus de Belo Horizonte, muitos passageiros foram surpreendidos. Alguns chegaram a esperar mais de hora pelo transporte público. “A mudança é válida pra melhorar, mas é uma adaptação que os empresários também deveriam concordar. Porque se as duas partes não entrarem em acordo fica complicado pra gente que depende de trabalhar. Aí eu vou chegar agora duas horas atrasada. E aí?”, disse a operadora de caixa Simone Gonçalves. Na terça-feira (7), a prefeitura publicou decreto determinando que os coletivos circulem em domingos e feriados, de 6h às 10h e de 16h às 20h. A medida não vale para as linhas alimentadoras que saem das estações para os bairros e funcionam até às 20h30. A justificativa da Prefeitura para a mudança seria a redução de circulação de pessoas nas ruas, em um momento crítico de contágio do coronavírus. Até este domingo, Belo Horizonte registrou 10.618 casos de Covid-19 e 249 mortes, segundo último boletim divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde. A equipe da TV Globo passou, neste domingo, por vários pontos e não viu avisos sobre a mudança. Em um deles, o relógio, que mostra quanto tempo demora para o ônibus chegar, só tinha data e horário na tela. Muitos passageiros foram surpreendidos pela mudança Reprodução/ TV Globo Os pontos de ônibus do centro da capital estavam com situação bem parecida, cheios de pessoas desinformadas. Quem tinha dinheiro, chamou carro de aplicativo. Mas quem não tinha, esperou ou foi andando para a casa. Foi o caso da vendedora Jeisilane do Carmo e do marido, que estavam com duas filhas e decidiram ir andando, quase cinco quilômetros, do centro até a casa deles, no Morro do Papagaio. “Eu tenho duas meninas, vou embora a pé agora. Vou ter que ir andando a pé. Tô sem dinheiro pra mim ir embora”, afirmou. Initial plugin text
Veja Mais

13/07 - Assessor de Trump propõe 'ação forte' contra TikTok
Segundo o assessor comercial da Casa Branca, Peter Navarro, aplicativo é utilizado para roubar a propriedade intelectual dos EUA. O assessor comercial da Casa Branca, Peter Navarro, disse neste domingo (12) esperar que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, tome medidas firmes contra os aplicativos chineses TikTok e WeChat, em meio a tensões entre Washington e Pequim. Navarro disse à Fox News esperar uma "ação forte" do presidente contra os dois aplicativos que, segundo ele, enviam todos os dados "a servidores na China, diretamente aos militares chineses, ao Partido Comunista Chinês e às agências (oficiais), que querem roubar nossa propriedade intelectual". TikTok pertence ao grupo chinês ByteDance Dado Ruvic/Reuters O TikTok, que pertence ao grupo chinês ByteDance, tem quase 1 bilhão de usuários em todo o mundo. Já o WeChat é o aplicativo de mensagens líder na China, com mais de um bilhão de usuários. Trump disse na terça-feira que estava estudando a possibilidade de proibir o TikTok nos Estados Unidos. Na sexta-feira, a gigante americana de distribuição online Amazon enviou uma nota a seus funcionários, pedindo-lhes que apagassem o TikTok de seus telefones celulares. Horas depois, o grupo explicou que esta mensagem havia sido transmitida por engano. "Anuciaram e recuaram, o que demonstra o poder do Partido Comunista Chinês sobre as empresas americanas e este é o problema", afirmou Navarro. O banco americano Wells Fargo também pediu a seus funcionários que instalaram o aplicativo em seus celulares de trabalho que o apaguem. O Partido Democrata pediu o mesmo a seus funcionários que trabalham para a campanha presidencial. O TikTok tem tido que se defender com frequência de supostos vínculos com a China, onde sua sede tem um aplicativo similar com outro nome. O grupo sempre negou compartilhar dados com as autoridades chinesas.
Veja Mais

13/07 - Bagé e Barracão confirmam primeiras mortes por coronavírus
Já em Esperança do Sul, secretária municipal foi a terceira pessoa a falecer pela doença. E Porto Alegre chegou a 161 óbitos. As prefeituras de Bagé, na Fronteira, e Barracão, no Norte do RS, confirmaram neste domingo (12) as primeiras mortes por coronavírus em cada cidade. RS registra mais 19 mortes por coronavírus e total chega a 962 Em Bagé, depois de 110 dias desde que o caso zero foi confirmado na cidade, o primeiro óbito foi registrado, de uma paciente de 48 anos, que tinha câncer de colo de útero, internada na Santa Casa de Bagé. Conforme a prefeitura, ela faleceu em 8 de julho, com teste positivo para Covid-19 confirmado neste domingo (12). Já em Barracão, um homem de 73 anos morreu no sábado (11), no Hospital Santa Terezinha. Ele estava internado na UTI do hospital de Erechim desde 5 de julho. Em Esperança do Sul a terceira morte pela doença foi confirmada. Segundo a prefeitura, a paciente é Nair Cristina Vivian, de 52 anos, que atuava como secretária da Fazenda e Finanças do município. Ela estava internada desde 25 de junho no Hospital de Caridade de Três Passos. E Porto Alegre chegou aos 161 óbitos, com a confirmação, na tarde de domingo (12), dea morte de um homem de 82 anos, internado na UTI do Hospital Conceição desde 26 de junho. Ele era hipertenso e cardiopata, informa a Secretaria Municipal de Saúde. Os casos ainda não foram incluídos no boletim estadual. Entre sábado e domingo, a Capital registrou sete falecimentos. Entenda algumas das expressões mais usadas na pandemia do covid-19 Initial plugin text
Veja Mais

13/07 - Polícia Rodoviária registra atropelamento com vítima fatal na MG-050 em Divinópolis
Ocorrência foi registrada no km 118 da rodovia, neste domingo (12). Vítima estava sem documentação e não foi identificada. Um atropelamento com vítima fatal foi registrado neste domingo (12), no km 118 da MG-050, em Divinópolis. Segundo a Polícia Rodoviária, a vítima era do sexo masculino, foi encontrada às margens da rodovia, mas não pode ser identificada, pois estava sem documentação. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado para atender a ocorrência. Quando uma equipe da Unidade de Suporte Básico (USB) de Divinópolis chegou ao local, constatou que a vítima já estava em óbito. A Perícia esteve no local e relatou que um veículo de grande porte pode ter sido o causador do acidente. Não foram encontrados outros veículos no local, segundo a Polícia.
Veja Mais

13/07 - Prefeitura de Presidente Prudente informa reabertura do comércio a partir desta segunda-feira
Conforme o Poder Executivo, de segunda a sexta-feira o funcionamento será das 13h às 17h, e aos sábados das 9h às 13h. Mudança na data da retomada das atividades econômicas foi anunciada neste domingo (12). Retomada das atividades econômicas em Presidente Prudente será a partir desta segunda-feira (13) Divulgação A mudança de fase no Plano São Paulo de retomada das atividades econômicas vai ser feita a partir desta segunda-feira (13), em Presidente Prudente. Conforme a Prefeitura informou no final da tarde deste domingo (12), o comércio e prestadores de serviço vão poder abrir a partir das 13h. Ainda conforme o informativo, a abertura será às 13h e o fechamando às 17h, de segunda a sexta-feira. Já aos sábado, o horário será das 9h às 13h. "Após novas orientações da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Regional, o governo de Presidente Prudente informa que a mudança de fase no Plano de Retomada das Atividades Econômicas passa a valer a partir desta segunda-feira (13). Dessa forma, a reabertura gradual do comércio e dos serviços está permitida a partir de amanhã", afirmou o Poder Executivo. Na última sexta-feira (10), o governo do Estado de São Paulo anunciou a mudança da fase vermelha para a laranja para todas as cidades do Oeste Paulista. Na data, a Prefeitura de Prudente informou que a retomada das atividades seria a partir de quarta-feira (15). Comércio de Presidente Prudente funcionará das 13h às 17h a partir de quarta-feira Após quase 1 mês, 56 cidades do Oeste Paulista avançam para a fase laranja do plano de flexibilização da quarentena Initial plugin text Veja mais notícias em G1 Presidente Prudente e Região.
Veja Mais

13/07 - Coronavírus em Rondônia: veja as principais notícias sobre a pandemia
Estado registra mais de 628 mortes da doença. Coronavírus em Rondônia: veja as principais notícias sobre a pandemia Estado registra mais de 628 mortes da doença. Governo retifica relatório e anuncia que três municípios mudam de fase no plano de ação em RO
Veja Mais

13/07 - 'Sandy e Junior: A História': para a dupla, documentário 'é quase uma terapia em público'
Eles conversaram com o Fantástico sobre a estreia da série do Globoplay, que mostra tudo sobre a vida, a carreira e os bastidores da última turnê de shows dos irmãos. 'Sandy e Junior: A História': para a dupla, documentário 'é quase uma terapia em público' A última vez que o Fantástico conversou com a dupla foi para anunciar a nova turnê. E agora, qual é o momento de Sandy e Junior? Sandy: Agora é o momento de contar toda a história. Junior: É quase uma terapia em público. O quão fã de Sandy e Junior você é? Faça o quiz do Fantástico clicando aqui. Essa terapia em público virou um documentário, de 7 episódios, que já está disponível no Globoplay: "Sandy & Junior: A História". Além do documentário, um show e a novela ‘Estrela-Guia' também estão no catálogo da plataforma da Globo. Veja a entrevista completa com os irmãos no vídeo acima. Ouça o podcast do Fantástico
Veja Mais

13/07 - Exclusivo: Fantástico revela detalhes do inquérito que investiga assassinato envolvendo Queiroz e Adriano
Há 17 anos, os então PMs Fabrício Queiroz e Adriano da Nóbrega mataram um homem suspeito de tráfico no Rio de Janeiro. Inquérito já foi interrompido diversas vezes e pode perder a validade em três anos. Exclusivo:detalhes do inquérito que investiga assassinato envolvendo Queiroz e Adriano Exclusivo: Fantástico teve acesso ao inquérito que investiga o que pode ter sido uma execução envolvendo Fabrício Queiroz e Adriano da Nóbrega, quando eles eram PMs no Rio de Janeiro. Os dois mataram um homem suspeito de tráfico na Cidade de Deus. Queiroz e Adriano alegaram legítima defesa na época. A investigação, que já dura 17 anos, foi interrompida diversos vezes e o inquérito pode perder a validade em três anos. O Ministério Público do Rio determinou, na semana passada, que a apuração seja concluída em 90 dias. Confira a reportagem no vídeo acima. Ouça o podcast do Fantástico:
Veja Mais

13/07 - Covid-19 em 12 de julho: casos e óbitos confirmados pelo Estado nas regiões dos Lagos, Serrana e Norte do RJ
Até esta quinta-feira, são 19.897 casos confirmados de Covid-19 em 50 cidades da área de cobertura da Inter TV RJ, sendo 895 óbitos. A Secretaria de Estado de Saúde do Rio de Janeiro divulgou o boletim atualizado sobre o coronavírus neste domingo (12). Ao todo, são 50 cidades nas regiões dos Lagos, Serrana, Norte e Noroeste, Metropolitana e Baixada Litorânea com casos da doença. Até este domingo, as regiões tiveram 19.897 casos de Covid-19 confirmados pelo Estado, mantendo o mesmo número de sábado (12). Ao todo, os casos de morte nestas 50 cidades chegam a 895. As cidades que possuem o maior número de mortes são Campos dos Goytacazes, com 133; Petrópolis com 104; Macaé, com 94; Maricá, com 66; Teresópolis, com 58; Cabo Frio, com 56; Nova Friburgo, com 41; Saquarema, com 42 óbitos; Araruama, com 39; Rio das Ostras, com 41; Rio Bonito, com 21; Iguaba Grande e Cachoeiras de Macacu, com 20 cada; São Francisco de Itabapoana, com 18; São Pedro da Aldeia e São José do Vale do Rio Preto, com 11 cada; e Casimiro de Abreu e Itaocara, com 10 mortes cada. Confira na tabela abaixo os números de casos confirmados e mortes nas 50 cidades da área de cobertura da Inter TV RJ: Casos confirmados pelo Estado De acordo com os dados atualizados sobre o novo coronavírus, o estado do Rio tem: Os principais números são: 11.406 mortes – eram 11.280 na quinta-feira 129.675 casos confirmados - eram 129.443 9 óbitos e 10 casos registrados nas últimas 24 horas 110.061 pacientes se recuperaram – eram 109.061 Veja outras notícias da região no G1 Região dos Lagos, Norte Fluminense e Região Serrana. Entenda algumas das expressões mais usadas na pandemia do covid-19
Veja Mais

13/07 - Resultados das empresas nos EUA à mercê da pandemia
Os lucros das 500 principais empresas cotadas em Wall Street vão cair 44% com relação ao mesmo período de 2019. Nenhum setor passará ileso, mas algumas estratégias dão resultado Surpreendidas pelo aparecimento da pandemia do novo coronavírus nos Estados Unidos em março, as empresas americanas foram atingidas em cheio pelas consequências do confinamento no segundo trimestre do ano. Um operador é visto durante o fechamento na Bolsa de Nova York. As ações de Wall Street mergulharam no vermelho depois que a Organização Mundial da Saúde declarou o coronavírus Covid-19 como uma pandemia Bryan R. Smith/AFP Enquanto os resultados de algumas se anunciam desastrosos, outras tiveram bons desempenhos. Os lucros das 500 principais empresas cotadas em Wall Street vão cair em seu conjunto 44% com relação ao mesmo período do ano passado, estima a empresa de dados financeiros Factset. Mas não é simples determinar o impacto de uma crise sanitária inédita nas atividades de cada empresa. Diante de uma doença imprevisível, muitas delas optaram por não divulgar prognósticos de desempenho. A priori, nenhum setor sairá ileso. Setores mais afetados Com a queda vertiginosa dos preços do petróleo, as empresas de energia deverão ver seus ganhos severamente reduzidos. Por outro lado, as companhias que dependem de gastos não essenciais, como lojas de roupas, automóveis ou bilhetes de avião, também foram fortemente impactadas. Uma amostra disso são as quebras de grandes nomes destes setores, como JC Penney, Hertz e Chesapeake Energy. Ao contrário, setores como de tecnologia e serviços de saúde terão resultados melhores, com "lucros que poderiam apenas baixar 10% ou menos que isso", segundo Nate Thooft, encarregado de estratégia em investimentos da Manulife Asset Management. As empresas que se adaptaram rapidamente ao imprevisto conseguiram diminuir o impacto da crise. A Nike, por exemplo, reportou 75% de aumento em suas vendas online entre março e maio, o que permitiu à fabricante de material esportivo compensar parte da queda de receita provocada pelo fechamento de suas lojas físicas. A Nike colheu benefícios de sua campanha com Colin Kaepernick, mas foi questionada por suas políticas internas de diversidade Getty Images via BBC Disparidade e incerteza De qualquer forma, vários elementos dificultam qualquer previsão. Em situações como esta, "de alguma forma é comum que as companhias 'joguem fora o bebê junto com a água do banho'", uma expressão usada para designar a perda de algo positivo na tentativa de se desfazer de algo ruim, alerta Thooft. Isto poderia "fazer com que as coisas pareçam ainda piores", acrescenta. A atividade foi afetada, ainda, por uma grande flutuação ao longo do trimestre, com um mês de abril marcado pelo confinamento quase generalizado e um relaxamento progressivo das restrições em maio e junho. Inclusive em um mesmo setor de atividade, os resultados têm sido díspares, como por exemplo em empresas que dependem do consumo. "As plataformas de comércio online prosperaram, as lojas de produtos essenciais e alimentícios viram suas vendas decolarem antes de manter certo crescimento, e os vendedores de artigos domésticos, de hobbies e brinquedos tiveram um desempenho melhor do que o habitual", destaca em nota o escritório especializado Earnest. Por outro lado, também segundo o Earnest, os setores "não essenciais" como restaurantes, vestuário e lojas de departamento têm enfrentado muitas dificuldades, enquanto setores de alto risco, como o de entretenimento e viagens, pararam completamente. Grupo se reúne em mesas de restaurante de Nova York colocadas do lado de fora do estabelecimento, em foto de 27 de junho Andrew Kelly/Reuters Redução de custos - e lucros Também é complexo avaliar o custo das diversas medidas adotadas pelas empresas para se adaptarem à emergência sanitária, da migração ao teletrabalho ou à instalação de divisórias sanitárias. De qualquer forma, tentaram reduzir suas despesas, inclusive o montante em dinheiro que entregam a seus acionistas. As empresas cotadas na Bolsa de Nova York pagaram US$ 42,5 bilhões a menos em dividendos durante o segundo trimestre em comparação com o mesmo período de 2019, a queda mais forte desde 2009. O desempenho das companhias está ligado, ainda, às suas próprias estratégias. É o caso dos grandes bancos, que darão início à temporada de publicação de resultados esta semana, e sobre os quais os analistas se perguntam até que ponto contemplaram como fazer frente aos empréstimos que não serão reembolsados. "Os bancos dependem muito da saúde financeira, portanto em tempos de crises é de se esperar que a atividade dedicada a pessoas físicas sofra", disse Joshua Mahony, da companhia IG.
Veja Mais

13/07 - Risco de infarto pode aumentar 30% durante o inverno; veja como se prevenir
Em 2019, 53 óbitos por ataques cardíacos foram registrados em Juiz de Fora. Segundo cardiologista, as baixas temperaturas podem provocar sobrecarga no sistema circulatório. Risco de infarto aumenta durante o inverno; veja como se cuidar Burger/Phanie/AFP/Arquivo Com a chegada do inverno, a preocupação com doenças virais e respiratórias cresce e, especialmente durante a pandemia do coronavírus, a negligência da população com a prevenção pode encobrir condições cardíacas, como o infarto. De acordo com o Instituto Nacional de Cardiologia (INC), a estação aumenta em 30% o número de infartos no país. Em 2019, Juiz de Fora registrou 53 mortes pela condição entre junho e setembro. Já durante o mesmo durante, no ano de 2018, 68 pessoas foram a óbito depois de sofrerem ataques cardíacos. Saiba como se cuidar e prevenir estas condições. Baixas temperaturas Em 2020, segundo o climatologista Ruibran dos Reis, o inverno será mais frio e úmido que em anos anteriores, apresentando temperaturas ligeiramente abaixo da média na Zona da Mata e no Campo das Vertentes. Frente fria sobre a região anuncia chegada do inverno nas cidades da Zona da Mata e do Campo das Vertentes Segundo a cardiologista Elizabeth Vital, as baixas temperaturas contribuem para a contração dos vasos da superfície do corpo, podendo provocar sobrecarga no sistema circulatório e aumentar os riscos de infarto. "As doenças respiratórias também contribuem para este acréscimo de carga no coração", acrescentou. Grupos de risco Vital explica que as pessoas mais propensas a sofrerem um ataque cardíaco são os portadores de diabetes, hipertensão arterial e colesterol alto, além dos tabagistas e sedentários. Já as pessoas que têm histórico familiar de cardiopatias também precisam ficar atentos aos sinais. Cardiologista Elizabeth Vital explica a ocorrência de infartos no inverno Elizabeth Vital/Arquivo pessoal "O infarto é uma doença comumente associado a pessoas idosas. No entanto, as ocorrências entre os jovens adultos na faixa etária dos 20 aos 39 anos, vêm aumentando consideravelmente", detalhou. De acordo com o Ministério da Saúde, o aumento de ocorrências do tipo em jovens-adultos foi de 13% entre 2013 e 2019. Em Juiz de Fora, conforme dados divulgados pela Prefeitura, dos 68 óbitos por infarto em 2018, 60 foram de pessoas com idade acima dos 55 anos. Confira na tabela a seguir os dados de acordo com gênero e faixa etária. Número de óbitos por infarto em 2018 Já em 2019, não foram registrados óbitos de pessoas com idade entre 35 e 44 anos. Das 53 mortes, 48 foram de indivíduos com idade acima do 55 anos. Número de óbitos por infarto em 2019 Sintomas e orientações Os principais sintomas de um infarto são dor forte no peito, com duração de 15 a 20 minutos, e com irradiação para os braços, estômago e mandíbula. Suor frio, náuseas, vômitos e sensação de aflição ou ansiedade também podem ser sinais da condição. Diante deste quadro, é necessário o contato com o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), pelo número 192, ou com o Corpo de Bombeiros através do 193. Elizabeth Vital reforça que, caso haja demora de mais de 20 minutos por parte das equipes de salvamento, o paciente deve procurar o serviço de emergência do hospital mais próximo. "O tempo entre o início dos sintomas e o atendimento especializado deve ser o mais curto possível para que o tratamento seja iniciado o mais breve possível", explicou a cardiologista. Como se cuidar? Durante o inverno, se manter agasalhado e protegido do frio é fundamental para evitar uma ocorrência de infarto. Além disso, uma dieta adequada e o combate ao sedentarismo e ao tabagismo contribuem para a prevenção de ataques cardíacos, além de evitar estresse. Também é preciso utilizar corretamento os medicamentos de uso contínuo. "[Também é importante] não deixar de consultar o seu médico, porque é muito importante manter a pressão arterial e os níveis de glicose e de colesterol controlados", completou Vital. Infarto em tempos de Covid-19 "Sem dúvida alguma", respondeu Elizabeth Vital, quando perguntada sobre a pandemia influenciar nos casos de infarto. Além da situação atual ser preocupante e causar estresse, a cardiologista explica que as medidas de isolamento social estão dificultando as consultas e diagnósticos. "Em virtude do receio de serem contaminadas pelo coronavírus, as pessoas têm retardado a ida aos setores de emergência dos hospitais e também reduzindo as consultas de controle, favorecendo os óbitos domiciliares. Estima-se que mais ou menos 50% dos pacientes deixaram de fazer o acompanhamento médico", finalizou. O G1 entrou em contato com a Prefeitura de Juiz de Fora para mais informações sobre o preparo da rede pública para lidar com casos de infarto durante a pandemia. No entanto, até a última atualização desta reportagem, não houve retorno.
Veja Mais

13/07 - Após matar pai a facadas, filho foge de carro e morre em acidente na BR-163, diz polícia
Segundo a polícia, a vítima, de 82 anos, tinha chegado da igreja quando levou a facada no peito; mãe do suspeito e esposa da vítima viu o ocorrido e precisou ser hospitalizada após passar mal. Segundo a PRF, o motorista da caminhonete morreu no local e o caminhoneiro ficou ferido, em Pranchita Imagem cedida/Antônio Mendonça/Portal Tri Um homem morreu em um acidente de trânsito na BR-163, em Pranchita, no sudoeste do Paraná, no domingo (12). Segundo a Polícia Civil, a batida aconteceu enquanto ele estaria fugindo, em uma caminhonete, porque teria matado o próprio pai, em Bom Jesus do Sul, também no sudoeste. Conforme a Polícia Militar (PM), o filho, de 56 anos, é suspeito de ter matado o pai, de 82 anos, com uma facada no peito, dentro de casa. A mãe e esposa da vítima, de 77 anos, presenciou o ocorrido, passou mal e foi levada para um hospital, em Dionísio Cerqueira (SC). Segundo a Polícia Rodoviária Federal (PRF), o acidente aconteceu entre a caminhonete e um caminhão. O caminhoneiro ficou gravemente ferido e foi levado para um hospital. A PM informou ainda que o pai foi morto pouco depois de chegar da igreja. Os pais e o filho moravam na mesma casa, na área rural da cidade. A Polícia Civil investiga o caso e o acidente, para apurar se o motorista da caminhonete perdeu o controle da direção ou se jogou o veículo em direção à carreta. O corpo do pai e do filho foram levados para o Instituto Médico-Legal (IML) de Francisco Beltrão, no sudoeste do Paraná. Veja mais notícias da região no G1 Oeste e Sudoeste.
Veja Mais

12/07 - Motociclista inabilitado e com sinais de embriaguez morre ao colidir com carreta na BR-343
O acidente ocorreu por volta das 15h deste domingo (12), em Campo Maior. Hospital Regional de Campo Maior Gilcelene Araújo/G1 Um motociclista de 29 anos morreu após invadir a contramão e colidir na lateral de uma carreta na BR-343, em Campo Maior, Norte do Piauí. O acidente ocorreu por volta das 15h deste domingo (12). "De acordo com levantamentos realizados pelos policiais no local do acidente e ouvir testemunhas, o condutor da motocicleta que é inabilitado e possuía indícios de ingestão de bebida alcoólica, invadiu a faixa contrária e colidiu lateralmente na carreta", informou o inspetor Alexsandro Lima, da Polícia Rodoviária Federal. Com a colisão, o motociclista sofreu lesões graves. Ele foi socorrido pelo Samu e encaminhada ao Hospital Regional de Campo Maior, mas não resistiu e faleceu. "Os policiais ainda estão realizando os devidos levantamentos pra identificar outras causas que poderiam ter contribuído para o acontecimento do acidente", acrescentou o inspetor.
Veja Mais

12/07 - Guarda Municipal interrompe partida com 70 pessoas de futebol em Contagem
A maior parte estava sem máscaras, em descumprimento a decreto que está em vigor desde abril. Na cidade, só está permitida a abertura de serviços essenciais. Partida de futebol reunia pelo menos 70 pessoas neste domingo, em Contagem Guarda Municipal/ Divulgação A Guarda Municipal interrompeu, na tarde deste domingo (12), uma partida de futebol no bairro Campo Alto, em Contagem, na Região Metropolitana de Belo Horizonte. De acordo com a Guarda, pelo menos 70 pessoas, entre jogadores e torcida, se aglomeravam no local. A maior parte estava sem máscaras. O responsável pelo jogo foi orientado quanto às normas da cidade, que não permitem partida de futebol durante a pandemia do novo coronavírus. Desde o final de junho, somente estabelecimentos comerciais essenciais estão autorizados a funcionar e desde 22 de abril, o uso de máscaras é obrigatório em espaços públicos na cidade. Contagem teve, até este domingo (12), 1.902 casos confirmados de Covid-19 e 79 mortes. A maior parte das pessoas estava sem máscara, segundo Guarda Municipal Divulgação / Guarda Municipal Initial plugin text
Veja Mais

12/07 - Prefeito de Santos ameaça fechar praias após moradores ignorarem isolamento e uso de máscaras
Em uma transmissão ao vivo nas redes sociais, Paulo Alexandre Barbosa (PSDB) anunciou projeto de multa para quem fizer aglomeração na cidade. Prefeito de Santos, SP, criticou comportamento de moradores que ignoraram quarentena Reprodução/Facebook O prefeito de Santos, no litoral de São Paulo, criticou duramente a população que ignorou as determinações de distanciamento social e uso obrigatório de máscara e foi às praias da cidade neste fim de semana. Em uma transmissão nas redes sociais, Paulo Alexandre Barbosa (PSDB) afirmou que pode voltar a proibir o acesso às praias caso os moradores continuem descumprindo as orientações. Segundo Barbosa, a prefeitura deverá encaminhar à Câmara Municipal um projeto para aplicar multa a moradores que participarem ou incentivarem aglomerações. O fim de semana foi de sol e temperaturas que chegaram aos 31°C entre o último sábado (11) e este domingo (12). Pedestres e banhistas lotaram a faixa de areia de Santos, contrariando as medidas de combate à disseminação do novo coronavírus. Na transmissão, o prefeito reforçou que o acesso à orla é permitido somente para a prática de atividades físicas individuais. As críticas também acontecem após o governo estadual entender que a Baixada Santista possui condições de avançar para a fase amarela no Plano São Paulo, que permite a abertura de um número maior de setores do comércio, como bares, restaurantes, salões de beleza e academias com capacidade de atendimento reduzida. Banhistas lotaram as praias de Santos, SP, pelo segundo dia consecutivo Vanessa Rodrigues/A Tribuna Jornal Presidente do Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana da Baixada Santista (Condesb), Barbosa pleiteou, junto ao estado, a reclassificação da região. "Começamos mal, com o comportamento inadequado. As cenas que eu vi representam um show de horrores". "Quem passou pela orla viu uma realidade que não é a que nós vivemos. Não tem justificativa para as pessoas saírem de casa sem máscara, é uma falta de respeito. É lamentável que a Guarda Municipal tenha que fazer esse trabalho de orientação do que é óbvio", afirmou o prefeito. Segundo Barbosa, o desrespeito às medidas de isolamento social pode acarretar no retrocesso da flexibilização e na proibição do acesso às praias. "Se esse comportamento continuar durante a semana, no próximo fim de semana a praia estará fechada, não vamos permitir a circulação em nenhum horário, esta é a decisão da prefeitura". O prefeito aponta, ainda, que encaminhará um projeto de lei ao Legislativo municipal para multar quem participar ou incentivar aglomerações em Santos. "A minuta desse projeto está pronta e devemos encaminhar nos próximos dias. A situação exige que a gente tenha esse tipo de comportamento". De acordo com o boletim epidemiológico enviado pela Prefeitura de Santos neste domingo, o município registra 11.519 casos confirmados do novo coronavírus, bem como 398 mortes causadas pela doença. No total, 6.233 pacientes já se recuperaram. Banhistas e pedestres são flagrados sem máscaras de proteção em Santos, SP Vanessa Rodrigues/A Tribuna Jornal
Veja Mais

12/07 - União mantém o maior símbolo do Shokonsai em seu centenário mesmo durante a pandemia
Ritual das velas foi realizado com restrições na tarde deste domingo (12) no Cemitério Japonês de Álvares Machado (SP). Evento que representa o Dia de Finados da colônia japonesa completou 100 anos. Shokonsai completou 100 anos neste domingo (12) Heloise Hamada/G1 Cem anos sem chuva. Cem anos com as chamas acesas. Cem anos de união. Neste domingo (12), o Shokonsai chegou ao seu centenário. O evento no Cemitério Japonês em Álvares Machado (SP) precisou ser adaptado por causa da pandemia da Covid-19. Mesmo sem a grande festa planejada, o ritual das velas manteve a essência desta tradição ainda mais intensa: reverenciar os antepassados não importa o que aconteça. Foi uma volta ao início, já que o culto aos antepassados começou em 1920 de uma forma simples, seguindo os moldes do Obon, o evento de finados no Japão. Apenas em 1921, o evento ganhou o nome de Shokonsai, que significa “convite às almas”. Durante as dez décadas, os descentes dos primeiros imigrantes japoneses que se instalaram em Álvares Machado mantiveram a tradição e fizeram do evento algo único. Todo segundo domingo de julho foi muito festejado com apresentações de dança, música, comida típica, oração e gratidão aos que já se foram. Toda a área do Cemitério Japonês e o Shokonsai são mantidos pela Associação Cultural, Esportiva e Agrícola Nipo-Brasileira de Álvares Machado (Aceam). O local é um símbolo de resistência. Conforme a Aceam, o cemitério foi criado diante da dificuldade em levar os mortos a pé para Presidente Prudente, a 15 quilômetros dali. Foram sepultadas 784 pessoas. Apenas uma não é japonesa ou descendente. Contam os mais antigos, que o Manoel morreu defendendo japoneses. No período da Segunda Guerra Mundial, entre 1939 a 1945, o presidente Getúlio Vargas proibiu os enterros no local, que considerou um ponto de discriminação racial. Há ainda outros sinais de resistência. Na mesma área do cemitério foi fundada pelos imigrantes a primeira escola japonesa. Foi a maneira encontrada para proporcionar um futuro melhor às crianças. Já o palco de madeira representa a luta pela preservação da cultura, seja da música, da dança ou do teatro. Esses três espaços foram tombados como patrimônio histórico em 1980. Shokonsai completou 100 anos neste domingo (12) Heloise Hamada/G1 Ritual das velas O evento já chegou a reunir 3 mil pessoas. Em meio à pandemia da Covid-19, para evitar aglomerações, somente o ritual as velas foi mantido, com muitas restrições. Neste domingo (12), o local permaneceu aberto para visitação. Conforme a Aceam, cerca de 50 famílias compareceram. “Controlamos o acesso, disponibilizamos álcool em gel e medimos a temperatura de todos que entraram, além de orientar a evitar aglomerações. Nós resolvemos manter o ritual das velas porque é uma coisa mística, representa bem toda cerimonia que fazemos no Shokonsai e ritual das velas ficou marcante durante esses anos”, explicou o vice-presidente da Aceam e coordenador do centenário, Luiz Takashi Katsutani. Para evitar a presença de idosos, os jovens da associação foram convocados previamente. Cerca de 20 pessoas colocaram as velas nos túmulos para depois fazer o acendimento. Este é considerado o momento mágico, já que o vento para e todas as chamas permanecem acesas até todas as velas queimarem. Chamar novos membros para fazer parte deste momento também é uma forma de manter a tradição viva. “Para nós é motivo de satisfação ver os jovens participando. Eles são uma força nova para manter o Shokonsai”, falou o vice-presidente. Shokonsai completou 100 anos neste domingo (12) Heloise Hamada/G1 “É importante tentar manter a tradição, principalmente a gente que é jovem, tentar manter o ritual para passar para as gerações futuras. É uma forma de gratidão aos nossos ancestrais”, destacou a acupunturista Daniele Kanashiro Sonvenso. A engenheira Michelle Ywata também participou pela primeira vez. “É muito gratificante poder ajudar e poder contribuir para manter a cultura que vem sendo mantida durante esses 100 anos”, disse. Mesmo com tudo mais simples, o culto e a reverência aos antepassados continua. O segundo domingo de 2020 vai ficar marcado não apenas pelo centenário, mas também por ter sido mais um ano em que a união ajudou a superar mais um momento difícil e a manter a tradição viva. “Sem dúvida alguma é muito gratificante poder fazer isso, se esforçar para manter o Shokonsai e continuar a reverenciar os antepassados. Mesmo sem o evento, vimos a valorização desse centenário”, finalizou Katsutani. Shokonsai completou 100 anos neste domingo (12) Heloise Hamada/G1 Shokonsai completou 100 anos neste domingo (12) Heloise Hamada/G1 Shokonsai completou 100 anos neste domingo (12) Heloise Hamada/G1 Confira abaixo as reportagens especiais sobre o centenário do Shokonsai. Shokonsai chega aos 100 anos de história com muita gratidão e mistérios em Álvares Machado Educação, cultura e reverência aos antepassados marcam o centenário do Shokonsai Ritual das velas no Shokonsai proporciona momentos únicos aos amantes da fotografia Shokonsai completou 100 anos neste domingo (12) Heloise Hamada/G1 Shokonsai completou 100 anos neste domingo (12) Heloise Hamada/G1 Shokonsai completou 100 anos neste domingo (12) Heloise Hamada/G1 Shokonsai completou 100 anos neste domingo (12) Heloise Hamada/G1 Veja mais notícias em G1 Presidente Prudente e Região.
Veja Mais

12/07 - Fãs de Nick Cordero querem dar o nome do ator a um teatro na Broadway
Campanha para eternizar nome do ator já tem mais de 30 mil assinaturas. Cordero tinha 41 anos e depois de 13 semanas de luta, acabou não resistindo a complicações da Covid-19. Fãs de Nick Cordero querem dar o nome do ator a um teatro na Broadway Ainda no mês de março, começo da pandemia em Nova York, Nick Cordero começou a se sentir cansado. Até que o ar começou a faltar. Amanda levou o marido ao pronto socorro. Ele foi direto pra UTI. ela não pode ficar por causa do risco de pegar o coronavírus. Os médicos fizeram um teste pra Covid-19. Só no terceiro veio a confirmação. Na metade de abril, Amanda recebeu uma ligação dos médicos avisando que tinham detectado uma nova infecção no pulmão, e que o respirador não estava dando conta de oxigenar o corpo. Os médicos colocaram uma circulação extracorpórea. O aparelho foi conectado ao corpo de Nick por um cateter na perna. Em sete dias, a perna de Nick precisou ser amputada. Foi ao longo daquela semana que Amanda começou a compartilhar histórias de Nick nas redes sociais. Pra se confortar e pedir aos céus a recuperação do marido. Todo dia, no mesmo horário, uma corrente de solidariedade se formava através de canto e dança. No dia 24 de abril, um novo teste de Covid indicou que ele estava livre do vírus, mas não das sequelas. Em junho, Amanda conseguiu visitar o marido no hospital pela primeira vez. Domingo, dia cinco de julho, os médicos retiraram o marca passo de Nick, mas ele já estava muito debilitado e não resistiu. Foram 13 semanas de luta. Agora há uma campanha para deixar o nome de Nick eternizado na Broadway. Os fãs criaram um abaixo assinado que já tem mais de 30 mil assinaturas para mudar o nome do teatro Longreacre, para teatro Nick Cordero. Ouça o podcast do Fantástico
Veja Mais