Mas a insatisfação com a situação atual dos negócios permanece 

O Índice de Confiança do Empresário (Icei) dos empresários e executivos da indústria de construção subiu em maio 0,7 ponto, para 56,2 pontos. O resultado é o melhor para maio desde 2012, quando alcançou 60,9 pontos. 

Este é um dos resultados da Sondagem da Construção da CNI (Confederação Nacional da Indústria), realizada de 2 a 10 de maio junto a 419 empresas, sendo 156 pequenas, 175 médias e 88 grandes. A pontuação vai de 0 a 100, indicando otimismo ou satisfação a partir de 50. 

A percepção dos empresários em relação às condições correntes segue negativa. O índice de Condições Atuais ficou em 48,6 pontos, aumento de 0,2 ponto frente o mês anterior. Mesmo assim, o resultado é o melhor para maio desde 2012. 

Expectativas em alta 

Já o Índice de Expectativa subiu 1 ponto, para 60 pontos. Os empresários da construção pesquisados seguem com expectativas positivas: esperam altas do nível de atividade, do número de novos empreendimentos e serviços, da compra de insumos e do número de empregados nos próximos seis meses. 

O índice de expectativa do empresário em relação ao nível de atividade apresentou estabilidade, permanecendo em 58,1 pontos, enquanto o índice de expectativa de compra de insumos e matérias-primas aumentou 0,3 ponto, para 57,4 pontos. 

Já o índice de expectativa de novos empreendimentos e serviços mostra ligeira queda do otimismo, ao cair 0,5 ponto, para 56 pontos. O índice de expectativa do número de empregados também registrou recuo de 0,5 ponto, para 56,2 pontos. 

Intenção de investir 

Em maio, o índice de intenção de investimento da indústria da construção subiu 2 pontos, para 44,8 pontos, retornando ao patamar de janeiro. Esse é o maior valor desde agosto de 2021, quando foi registrado 45,4 pontos. Com exceção do resultado de agosto, a última vez que o índice superou o valor de maio foi em setembro de 2014 (45 pontos).  

O índice do nível de atividade ficou em 50,1 pontos em abril de 2022, registrando recuo de 1,2 ponto com relação a março. O valor próximo da linha divisória dos 50 pontos, que separa aumento de queda do nível de atividade, sinaliza estabilidade. 

O índice não apresentava valor acima dos 50 pontos para o mês de abril desde 2012, quando registrou 50,6 pontos. 

O índice do número de empregados ficou em 50,7 pontos, representando aumento de 0,7 ponto ante março. Assim como o ocorrido para o nível de atividade, o valor do índice é o maior para abril desde 2012, quando registrou 51 pontos. 

Considerando os quatro primeiros meses do ano (janeiro a abril), o valor médio do índice do nível de atividade (49,3 pontos) é o maior desde 2012 (49,6 pontos). Para o nível de empregados, a média (49,5 pontos) também é a maior desde 2012 (50,6 pontos). 

Utilização da capacidade 

Em abril de 2022, a Utilização da Capacidade Operacional (UCO) caiu 1 ponto percentual na comparação com março, de 68% para 67%. Ainda assim, é o maior percentual para o mês desde 2014 (69%).